O indígena que foi a primeira pessoa não branca a ser vice-presidente dos EUA

Em 1928, Charles Curtis foi eleito vice do presidente Herbert Hoover

Alaa Elassar, da CNN
09 de novembro de 2020 às 13:55 | Atualizado 10 de novembro de 2020 às 06:08
Charles Curtis com um grupo de nativos norte-americanos em 1928
Charles Curtis com um grupo de indígenas norte-americanos em 1928
Foto: Harris & Ewing / Biblioteca do Congresso dos EUA

No sábado, Kamala Harris fez história como a primeira mulher, primeira negra e primeira descendente de asiáticos a ser eleita vice-presidente dos Estados Unidos. Mas ela não será a primeira pessoa não branca a servir nesta função.

Em 1928, Charles Curtis – um legislador indígena norte-americano e membro da nação Kaw – foi eleito vice do presidente Herbert Hoover.

Assista e leia também:
A alternância de poder nos EUA: veja todos os presidentes eleitos até hoje
Kamala Harris será liderança para debater questões raciais, diz professora
Lia Bock: Kamala Harris e a representatividade das mulheres na política

Curtis cresceu em North Topeka, Kansas, filho de pai branco e mãe neta de índios Kaw. Ele era o tataraneto de White Plume, um chefe Kaw conhecido por se oferecer para ajudar a expedição dos pioneiros Lewis e Clark em 1804, de acordo com os documentos do Senado dos EUA.

Curtis passou grande parte da infância morando com os avós maternos na reserva Kaw em Council Grove, Kansas. Falava kansa, a língua Siouan das Grandes Planícies, antes de aprender inglês – e sua fluência permitiu convivência com a tribo. Hábil montador de pôneis, o político foi até mesmo um jóquei vencedor.

Embora Curtis quisesse continuar morando em reservas com a avó, foi ela quem o encorajou, ainda adolescente, a voltar para Topeka para continuar os estudos.

“Segui o conselho esplêndido dela e na manhã seguinte, enquanto os vagões partiam para o sul com destino ao Território Indígena, montei meu pônei e, com meus pertences em um saco de farinha, voltei para Topeka e para a escola”, contou Curtis. "Nenhum homem ou menino recebeu melhor conselho, foi o ponto de virada na minha vida."

Charles Curtis (esq.) e o Herbert Hoover (dir.), em 1928
Charles Curtis (esq.) e Herbert Hoover (dir.), em 1928
Foto: Harris & Ewing / Biblioteca do Congresso dos EUA

Política

De volta a Topeka, Curtis se tornou advogado e, mais tarde, voltou a atenção para a política. Em 1892, foi eleito para o Congresso dos EUA, onde atuou na Câmara dos Deputados e no Senado. Como senador, foi o líder da maioria republicana, fundamental para ajudar a impedir que Woodrow Wilson fizesse os EUA ingressarem na Liga das Nações. Em 1928, perdeu a candidatura presidencial para Herbert Hoover, que o escolheu como companheiro de chapa.

Durante seu período como congressista, Curtis ficou conhecido por patrocinar “Uma Lei para a Proteção do Povo do Território Indígena e para Outros Fins”, também conhecida como Lei Curtis de 1898, que pouco fez para proteger as terras indígenas.

Embora a lei permitisse que membros de tribos votassem e estabelecesse escolas públicas em terras tribais, ela também ajudou a levar à desintegração das nações indígenas, segundo a Sociedade Histórica de Oklahoma.

Alguns governos e terras tribais indígenas foram desfeitos como resultado do ato, que anulou vários direitos do tratado “ao alocar terras federais, abolir os tribunais tribais e dar ao Departamento do Interior o controle sobre os arrendamentos de minérios em terras indígenas”.

Outro marco para as pessoas de cor

Curtis fez história como a primeira pessoa não branca a se tornar vice-presidente. Já Kamala Harris está quebrando as próprias barreiras.

As mulheres nos EUA vêm lutando por direitos iguais e representação na vida do país há séculos. Com a eleição de Harris, uma mulher alcançou o segundo cargo político mais alto do país.

Na noite de sábado, durante seu primeiro discurso como vice-presidente eleita, Harris mencionou o momento histórico. “Posso ser a primeira mulher nesta posição, mas não serei a última”, afirmou em Wilmington, Delaware.

"Porque cada menina que nos assiste hoje vê que este é um país de possibilidades, e para as crianças do nosso país, independentemente do gênero, envio uma mensagem clara: sonhem com ambição, liderem com convicção e se vejam de uma forma que os outros não podem, simplesmente porque nunca viram antes. Mas saibam que vamos aplaudir vocês a cada passo do caminho."

(Texto traduzido. Leia o original em inglês.)