Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mais de 360 ​​civis morreram na Ucrânia desde o início da guerra, diz ONU

    Agência das Nações Unidas para refugiados contabiliza 1.123 civis feridos, mas ressalta que número de vítimas é provavelmente maior

    Eleanor Pickstonda CNN

    Ouvir notícia

    Mais de 360 ​​civis foram mortos na Ucrânia desde o início da invasão da Rússia no mês passado, disse o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnur) em comunicado neste domingo (6).

    Até agora, 1.123 civis foram feridos, incluindo 364 mortos e 759 feridos, segundo a agência da ONU para refugiados. O Acnur afirma que os números reais são provavelmente “consideravelmente maiores”.

    A CNN não pode verificar independentemente os números de vítimas.

    Os dados foram coletados entre as 4h, horário da Ucrânia, de 24 de fevereiro, quando o ataque armado da Rússia contra a Ucrânia começou, até meia-noite, horário local, de 5 de março, segundo o comunicado.

    O total de mortos inclui 74 homens, 42 mulheres, 8 meninos e 4 meninas, além de 13 crianças e 223 adultos cujo sexo não é conhecido. O total de feridos inclui 67 homens, 48 ​​mulheres, 11 meninas e 2 meninos, bem como 28 crianças e 603 adultos, diz o Acnur.

    A agência acrescenta que 503 vítimas estavam nas regiões de Donetsk e Luhansk, e 374 vítimas estavam em território controlado pelo governo.

    A maioria das vítimas civis registradas foi causada pelo uso de “armas explosivas com uma ampla área de impacto”, disse o comunicado, incluindo bombardeios de artilharia pesada e sistemas de foguetes de lançamento múltiplo, mísseis e ataques aéreos.

    O Acnur acrescentou que acredita que os “números reais são consideravelmente maiores”, especialmente em território controlado pelo governo nos últimos dias, de onde os dados sobre vítimas foram adiados.

    Fotos – Guerra da Rússia contra a Ucrânia chega ao 11º dia

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN