Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que você precisa saber sobre as eleições gerais do Reino Unido desta quinta (4)

    Eleitores britânicos estão preparados para encerrar uma era de 14 anos de governo conservador, em uma eleição geral importante que é quase universalmente esperado que o primeiro-ministro Rishi Sunak perca

    Keir Starmer e Rishi Sunak
    Keir Starmer e Rishi Sunak Getty Images via CNN Newsource

    Rob Pichetada CNN em Londres

    Os eleitores britânicos estão preparados para encerrar uma era de 14 anos de governo conservador, em uma eleição geral importante que é quase universalmente esperado que o primeiro-ministro Rishi Sunak perca.

    Sunak assumiu o maior risco de seu problemático mandato ao convocar a votação antecipada, mas tem lutado para reverter as pesquisas ruins e parece estar à beira da derrota.

    Se, como indicam as pesquisas atuais, o Partido Trabalhista de oposição vencer, isso finalmente encerrará uma era de 14 anos de governo conservador, inaugurando um governo de centro-esquerda liderado pelo ex-advogado Keir Starmer.

    Qualquer outro resultado significaria que Sunak orquestrou uma vitória chocante que até mesmo muitos em seu próprio partido acreditam estar fora de alcance – e resultaria na extensão de uma dinastia política comandada pelos conservadores em direção a uma terceira década.

    Aqui estão algumas perguntas importantes respondidas.

    Quando e como o Reino Unido votará?

    Após uma campanha de semanas, as urnas serão abertas às 7h, no horário local, de quinta-feira (3h, horário de Brasília), e permanecerão abertas até às 22h.

    Os britânicos podem votar em cada um dos 650 distritos eleitorais do país, selecionando o deputado que representará a área.

    O líder do partido que ganha a maioria desses distritos eleitorais se torna primeiro-ministro e pode formar um governo. Isso significa que 326 é o número mágico para uma maioria.

    Se não houver maioria, eles precisam procurar ajuda em outro lugar, governando como um governo minoritário — como Theresa May fez após um resultado acirrado em 2017 — ou formando uma coalizão, como David Cameron fez depois de 2010.

    O monarca tem um papel importante, embora simbólico; o rei Charles III deve aprovar a formação de um governo, a decisão de realizar uma eleição e a dissolução do Parlamento. O rei nunca contradiz seu primeiro-ministro ou anula os resultados de uma eleição.

    Por que Sunak convocou uma eleição?

    Sunak era obrigado a convocar uma votação até janeiro de 2025, mas a decisão de quando fazê-lo cabia somente a ele.

    Premiê britânico Rishi Sunak em Londres / 22/4/2024 REUTERS/Toby Melville

    O problema dele era que não existiam boas opções. Ele estava 20 pontos atrás nas pesquisas, e esse déficit não havia se mexido por meses. Alguns em seu ouvido o instaram a esperar até o final do ano, quando as más notícias econômicas poderiam melhorar.

    Mas, por outro lado, Sunak colocou muito de seu capital político em sua promessa de impedir pequenas travessias de barcos para o Reino Unido por requerentes de asilo.

    Ele aprovou recentemente uma lei controversa para processar alguns dos pedidos em Ruanda, embora ninguém tenha sido deportado ainda e mais desafios legais possam travar o plano.

    Espera-se que os meses mais quentes do verão registrem um grande número dessas viagens pelo Canal da Mancha, prejudicando um importante pilar da mensagem de sua campanha.

    Por fim, horas depois de algumas raras boas notícias econômicas – uma redução saudável na taxa de inflação mês a mês – Sunak decidiu que este era o momento menos ruim para apertar o gatilho.

    Mas seu discurso, que ocorreu sob uma chuva torrencial nos arredores de Downing Street, deu o tom de uma campanha miserável.

    Quem deve ganhar?

    A expectativa quase universal é que o Partido Conservador de Sunak perca a eleição.

    Rishi Sunak na Downing Street / Leon Neal/Getty Images

    O Partido Trabalhista tem liderado as pesquisas de opinião para eleições gerais desde o final de 2021, e essa liderança tem sido enorme durante toda a campanha.

    Eles estão cerca de 20 pontos acima em média, com os Conservadores mais próximos dos desafiantes de terceiros partidos Reform UK e os Democratas Liberais do que dos Trabalhistas.

    Quando convertidos em uma projeção de assentos no Parlamento, esses números indicam uma vitória confortável do Partido Trabalhista.

    A marca conservadora foi prejudicada pelo “Partygate” e uma série de outros escândalos que levaram ao fim do mandato de Boris Johnson e, depois, ao mandato caótico de seis semanas de sua sucessora, Liz Truss, cuja agenda fiscal deixou os mercados turbulentos.

    Liz Truss renuncia ao cargo de primeira-ministra do Reino Unido
    Liz Truss renuncia ao cargo de primeira-ministra do Reino Unido / Reprodução/CNN Brasil (20.out.2022)

    A campanha de Sunak até mudou sua mensagem nas últimas semanas, encorajando seus apoiadores a impedir uma maioria trabalhista massiva em vez de apoiar a volta de Sunak para Downing Street.

    É essencialmente uma admissão de derrota e ressalta o que as pesquisas vêm dizendo há algum tempo: o Partido Trabalhista está firmemente no caminho da vitória.

    Mas o Partido Trabalhista está preocupado com as pessoas que consideram o resultado como garantido e enfatizou nos últimos dias que nada estará decidido até que os votos sejam contados.

    Como foi a campanha?

    Starmer e Sunak se enfrentaram em dois debates televisivos, que às vezes eram mal-humorados e apresentavam alegações controversas – particularmente uma afirmação de Sunak de que o Partido Trabalhista custaria milhares de dólares aos britânicos em novos impostos, o que o Partido Trabalhista descartou.

    A campanha trabalhista tem se concentrado em outros assuntos, reforçando a promessa de “mudança” e ao mesmo tempo prometendo prudência com as finanças do país.

    Keir Starmer e Rishi Sunak realizam debate eleitoral em Manchester, no Reino Unido / 04/06/2024 Jonathan Hordle/ITV/Divulgação via REUTERS

    Enquanto isso, Sunak tem lutado para permanecer no caminho certo; em particular, a decisão de abandonar as comemorações do aniversário do Dia D mais cedo causou fúria nacional e motivou um pedido de desculpas.

    Dois debates frente a frente na TV foram organizados; no primeiro, Sunak e Starmer brigaram em um empate tenso e ocasionalmente pessoal. O segundo irá ao ar no final de junho.

    Então, na quinta-feira (4), os britânicos votarão entre 7h e 22h, horário local, e assim que as urnas fecharem, os votos serão contados. Um vencedor geralmente é declarado nas primeiras horas da manhã de sexta-feira.

    Quem é Keir Starmer?

    O rival de Rishi Sunak no poder é o líder trabalhista Keir Starmer, que é amplamente favorito para se tornar o novo primeiro-ministro britânico em julho.

    Um ex-advogado de direitos humanos muito respeitado que então atuou como o promotor mais sênior da Grã-Bretanha, Starmer entrou na política tarde na vida.

    Líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, Keir Starmer, durante evento de campanha em Abergavenny, no País de Gales / 30/05/2024 REUTERS/Maja Smiejkowska

    Ele se tornou um parlamentar trabalhista em 2015 e menos de cinco anos depois era o líder do partido, após uma passagem como secretário do Brexit no Gabinete Paralelo durante a saída prolongada da Grã-Bretanha da União Europeia.

    Starmer herdou um partido que se recuperava de sua pior derrota eleitoral em gerações, mas priorizou uma reformulação de sua cultura, encarando os apoiadores de esquerda do ex-líder Jeremy Corbyn e se desculpando publicamente por um escândalo de antissemitismo de longa data que manchou a posição do grupo com o público.

    Ele tentou reivindicar o centro político da Grã-Bretanha, e é descrito por seus apoiadores como um líder sério e de princípios, com foco em lidar com as questões sistêmicas que a Grã-Bretanha enfrenta.

    Mas seus oponentes, tanto na esquerda de seu próprio partido quanto na direita do espectro político, dizem que ele não tem carisma e ideias, e o acusam de não ter conseguido estabelecer uma visão ambiciosa e ampla para a nação.

    Quem mais está na disputa?

    Apenas Sunak ou Starmer têm uma chance realista de se tornarem primeiros-ministros, mas seus planos podem ser interrompidos por uma série de partidos menores.

    Nigel Farage, a figura populista de direita que lidera o Reform UK, anunciou que se candidataria no início da campanha — ele havia se recusado a fazê-lo anteriormente para ajudar o ex-presidente Donald Trump na campanha eleitoral dos EUA — e sua inscrição ajudou o grupo a perder o apoio dos conservadores.

    Farage criticou o histórico de Sunak sobre migração, e seu grupo chegou perto dos conservadores em muitas pesquisas. Manter esse nível de apoio no dia da eleição pode causar uma dizimação única dos conservadores nas urnas.

    Nigel Farage, líder do Partido Reformista da direita da Grã-Bretanha / 10/06/2024 REUTERS/Kevin Coombs

    Enquanto isso, enquanto Farage ataca Sunak pela direita, os Democratas Liberais, um grupo centrista e pró-europeu, vêm minando o apoio conservador nas regiões ricas do sul da Inglaterra.

    Dada a posição do Partido Trabalhista nas pesquisas, Starmer está mais equipado para levar a luta contra outros grupos.

    Ao norte da fronteira, ele buscará acabar com o domínio de uma geração do Partido Nacional Escocês (SNP) nas urnas, capitalizando um período difícil na história recente do partido, que os viu substituir dois líderes em pouco mais de um ano.

    Mas ele precisará estar atento ao Partido Verde, que o desafiou pela esquerda e, como resultado, atraiu alguns votos liberais mais jovens.

    Nas recentes eleições locais, também houve evidências de que a posição do Partido Trabalhista sobre a guerra de Israel contra o Hamas em Gaza prejudicou o partido em áreas de maioria muçulmana.

    Quais questões decidirão a eleição?

    A resposta a essa pergunta decidirá em parte o vencedor da noite.

    O Partido Trabalhista tem sido persistente ao tentar definir a eleição como um referendo sobre 14 anos de governo conservador, aproveitando a fadiga pública com um partido que produziu cinco primeiros-ministros nesse período e supervisionou o Brexit, uma economia instável e uma série de escândalos de corrupção.

    Em particular, Starmer falou bastante sobre o custo de vida que afeta as famílias britânicas e o estado do Serviço Nacional de Saúde (NHS) do país, que tem excesso de pessoal e está sobrecarregado.

    Parlamento britânico em Londres / 06/03/2024. Andy Bailey/Handout via REUTERS/File Photo

    Sunak, por outro lado, tentou focar na migração – sua promessa de “Parar os Barcos” ainda não funcionou, mas sua política emblemática para Ruanda pelo menos se tornou lei. E ele tentou convencer os eleitores de que a economia virou uma esquina, e não pode arriscar uma mudança na governança.

    Quando saberemos os resultados?

    Após a abertura das urnas na quinta-feira, a mídia britânica estará proibida de discutir qualquer coisa que possa afetar a votação.

    Mas no momento que a votação acabar, uma pesquisa de boca de urna será divulgada e definirá o curso da noite. A pesquisa, feita pela Ipsos para a BBC, ITV e Sky, projeta a distribuição de assentos do novo parlamento, e historicamente tem sido muito precisa.

    Os resultados reais são contados ao longo da noite; o escopo do resultado da noite geralmente fica claro por volta das 3 da manhã, horário local (23h, horário de Brasília), e o novo primeiro-ministro — se houver um — geralmente assume o cargo ao meio-dia.

    Mas as coisas podem demorar mais se o resultado for apertado ou se as vagas principais forem decididas na reta final.

    De qualquer forma, a transferência de poder acontecerá no fim de semana, dando ao novo governo algumas semanas para trabalhar em legislações importantes antes do recesso parlamentar de verão.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original