Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Oposição enfrenta governo militar em eleições gerais na Tailândia

    Pleito é o primeiro desde os protestos em massa pró-democracia liderados por jovens em 2020, e apenas o segundo desde o golpe militar de 2014

    Bandeira da Tailândia
    Bandeira da Tailândia Getty Images

    Heather Chenda CNN

    Milhões de tailandeses vão às urnas neste domingo (14) para uma eleição geral, na qual os partidos de oposição esperam enfrentar uma onda de frustração com o controle militar sobre as alavancas do poder e sua condução da economia.

    A eleição é a primeira desde os protestos em massa pró-democracia liderados por jovens em 2020, e apenas a segunda desde que um golpe militar em 2014 derrubou um governo eleito, restaurando um domínio conservador que mexeu as peças na turbulenta política do reino por décadas.

    As urnas abriram às 8h, horário de Bangkok (22h de sábado em Brasília), com as autoridades eleitorais esperando um alto comparecimento.

    A eleição deste ano verá cerca de 52 milhões de eleitores elegíveis votarem em 500 membros para a Câmara dos Representantes no sistema bicameral da Tailândia, que foi reformulado por meio de uma nova Constituição escrita pelos militares que tomaram o poder há nove anos.

    Cada eleitor tem duas cédulas, uma para um representante do eleitorado local e outra para sua escolha de candidatos para o partido nacional, conhecidos como MPs de lista partidária.

    A Constituição da era da junta dá à Câmara Alta uma palavra significativa sobre quem pode formar um governo, de modo que os partidos da oposição devem vencer por uma margem alta.

    Liderando essa carga está uma geração jovem de tailandeses que anseia por mudanças e está disposta a abordar tabus, como o papel dos militares e até mesmo, para alguns deles, a reforma real.

    Quem são os nomes-chave?

    O poderoso establishment conservador do país conta com sua própria base eleitoral influente que apoia partidos ligados aos militares, à monarquia e às elites governantes, muitos deles na capital, Bangkok.

    Alinhados contra eles estão os partidos de oposição de tendência mais progressista e populista, que fazem campanha por reformas democráticas que têm um histórico de atrair mais eleitores da classe trabalhadora nas cidades e nas regiões rurais.

    No topo das pesquisas de opinião está o partido de oposição Pheu Thai, que está apresentando três candidatos a primeiro-ministro e fazendo campanha em uma plataforma populista que inclui aumento do salário mínimo, doações em dinheiro do bem-estar e manutenção dos militares fora da política.

    As atuais movimentações na política tailandesa são motivo de alegria para a bilionária família Shinawatra – uma controversa dinastia política chefiada pelo ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra.

    Thaksin, um ex-policial que se tornou magnata bilionário das telecomunicações, e sua irmã Yingluck, comandaram governos que foram derrubados por golpes militares. Ambos vivem no exílio, com os tribunais tailandeses condenando-os à prisão por acusações de corrupção.

    A filha mais nova de Thaksin, Paetongtarn, de 36 anos, é candidata a primeira-ministra.

    Paetongtarn só entrou na política há três anos, mas se apresentou como uma nova geração para se conectar com os jovens tailandeses. Ela comparecia regularmente a comícios durante a gravidez e voltou a fazer campanha dias após o parto.

    Extremamente popular entre as classes trabalhadoras rurais e urbanas, o partido almeja uma vitória esmagadora. Os partidos associados a Thaksin venceram todas as eleições tailandesas desde 2001.

    Também na mistura do partido Pheu Thai está Srettha Thavisin, uma magnata do setor imobiliário de 59 anos que quer se concentrar em corrigir a desigualdade de renda, promover os direitos LGBTQ +, incluindo o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e erradicar a corrupção enquanto impulsiona a economia.

    No entanto, há outra força de oposição em jogo chamada Move Forward, um partido que é muito popular entre os jovens tailandeses por sua agenda de reformas radicais.

    Os analistas chamaram essas movimentações de “uma mudança de jogo” – seus candidatos estão fazendo campanha por mudanças estruturais profundas na forma como a Tailândia é governada, incluindo reformas nas forças armadas e a estrita lei de lesa-majestade do reino – que proíbe críticas à família real.

    À frente do partido está Pita Limcharoenrat, de 42 anos, ex-aluno de Harvard com experiência em negócios. Seus discursos de campanha e plataforma de reforma lhe renderam muitos seguidores, e ele é um dos principais candidatos para primeiro-ministro nas pesquisas de opinião.

    Também almejando o cargo principal está o primeiro-ministro em exercício, Prayut Chan-o-cha – desta vez com um novo partido político, a United Thai Nation. O ex-chefe do exército, que planejou o golpe de 2014, está no poder há nove anos.

    Embora seu partido tenha perdido para Pheu Thai no número de cadeiras conquistadas nas eleições de 2019, Prayut ainda se tornou primeiro-ministro, depois de reunir apoio suficiente dos partidos da coalizão para formar um governo.

    Mas, apesar de seu fraco desempenho nas pesquisas de opinião, os analistas alertam contra subestimá-lo, devido às suas ligações com as elites do país.

    Sua ascensão de líder do golpe militar a primeiro-ministro foi marcada por controvérsias, autoritarismo crescente e desigualdade cada vez maior. Centenas de ativistas foram presos durante sua liderança sob leis como sedição ou lesa majestade.

    A má administração do governo militar ao lidar com a pandemia e a economia durante o coronavírus também ampliou os pedidos de renúncia de Prayut e continuou até 2021. Ele sobreviveu a vários votos de desconfiança no parlamento durante seu mandato, que tentaram removê-lo do poder. Se eleito novamente, Prayut só poderá servir por dois anos, já que a Constituição limita o mandato a um máximo de oito anos.

    Outro candidato que pode ver sua sorte aumentar em qualquer disputa pós-eleitoral é o ex-chefe do exército Prawit Wongsuwan, vice-primeiro-ministro e ex-irmão de armas de Prayut.

    Prawit, um veterano político, agora é líder do antigo partido de Prayut, o Palang Pracharat.

    Anutin Charnvirakul, do partido Bhumjaithai, também pode ser influente em quaisquer acordos pós-eleitorais. O ministro da Saúde, Anutin, conduziu o país durante a pandemia e apoiou uma legislação histórica que descriminalizou a cannabis no ano passado.

    Quem pode escolher o primeiro-ministro?

    O chefe do maior partido pode não necessariamente liderar a Tailândia, ou mesmo formar um governo, já que o sistema eleitoral do país é favorável ao establishment conservador.

    Os partidos que obtiverem mais de 25 assentos podem indicar seu candidato a primeiro-ministro. Esses candidatos serão submetidos a votação, com toda a legislatura bicameral de 750 assentos votando.

    Para ser primeiro-ministro, o candidato deve ter a maioria nas duas casas – ou pelo menos 375 votos.

    No entanto, o Senado de 250 membros provavelmente desempenhará um papel fundamental na decisão do próximo governo da Tailândia e, como é escolhido inteiramente pelos militares, provavelmente votará em um partido pró-militar.

    Isso significa que um partido ou coalizão de oposição precisa de quase três vezes mais votos na Câmara do que um partido militar para poder eleger o próximo líder.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original