Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Suprema Corte dos EUA marca data para decidir sobre imunidade de Trump

    Argumentos serão ouvidos na semana de 22 de abril

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump
    Ex-presidente dos EUA Donald Trump 11/01/2024REUTERS/Shannon Stapleton

    John Fritzeda CNN

    A Suprema Corte dos Estados Unidos concordou nesta quarta-feira (28) em julgar a reivindicação de Donald Trump de que o ex-presidente tem imunidade em um caso de subversão eleitoral, atrasando ainda mais o julgamento federal.

    O tribunal concordou em agilizar o caso e ouvir os argumentos na semana de 22 de abril.

    A medida coloca o principal candidato à indicação presidencial do partido Republicano no caminho para outro encontro com o tribunal superior do país, que no início deste mês ouviu argumentos em um outro processo, que apura se Trump estaria impedido de concorrer a um segundo mandato devido à 14ª Emenda da Constituição, sobre “proibição de insurreição”.

    Entretanto, os argumentos na Suprema Corte podem ocorrer enquanto Trump estiver sendo julgado em Nova York sob acusações criminais de falsificação de relatórios comerciais para ocultar pagamentos antes das eleições de 2016. O empresário se declarou inocente no caso.

    O tribunal superior ordenou nesta quarta-feira que uma decisão de um tribunal inferior contra Trump permaneça suspensa até que a questão seja decidida. Como é comum na concessão de um caso, o tribunal emitiu apenas uma ordem curta e não indicou como os ministros votaram.

    Um porta-voz do gabinete do procurador especial não quis comentar.

    A decisão representa uma vitória significativa para Trump por pelo menos duas razões: agora ele poderá defender a ampla imunidade presidencial que, se concedida, poderá minar processos que enfrenta, e também será capaz de adiar um julgamento, provavelmente por várias semanas, pelo menos.

    É também a segunda vez que os juízes rejeitam um pedido do procurador especial Jack Smith. Ele havia solicitado meses atrás ao tribunal superior que aceitasse o caso antes que o Circuito de DC decidisse sobre o processo – e ele foi rejeitado.

    Se os juízes tivessem rejeitado o pedido de emergência de Trump para suspender o caso, Smith teria conseguido agir mais rapidamente, praticamente garantindo um julgamento antes das eleições de novembro.

    O tribunal pediu a Trump que apresente seus argumentos iniciais no caso até 19 de março. O escritório de Smith foi solicitado a apresentar sua própria petição expondo seus argumentos até 8 de abril, e Trump tem até 15 de abril para apresentar seus argumentos finais por escrito antes que os argumentos orais sejam ouvidos.

    Suprema Corte demorou quase duas semanas para anúncio

    A Suprema Corte demorou quase duas semanas para emitir sua decisão sobre como procederia com o caso, sugerindo que houve manobras nos bastidores, disse Steve Vladeck, analista da Suprema Corte da CNN e professor da Faculdade de Direito da Universidade do Texas.

    “A surpresa é que o tribunal levou quase duas semanas para chegar a este resultado, do qual nenhum juiz discordou publicamente. Os juízes não conseguiram chegar a um consenso sobre uma forma de resolver o assunto sem fornecer informações e argumentos completos”, pontuou Vladeck.

    “É difícil entender se isso torna o tribunal mais propenso a ficar do lado do ex-presidente Trump quando julgar o seu pedido de imunidade, mas certamente significa que, mesmo no pior cenário para Trump, a acusação de 6 de janeiro será adiada por pelo menos mais 3 a 5 meses”, adicionou.

    “É uma grande vitória para Trump, mesmo que ele acabe perdendo este caso”, avaliou.

    O ex-presidente apresentou um pedido de emergência à Suprema Corte em 12 de fevereiro, pedindo aos juízes que bloqueassem uma decisão de um tribunal inferior de que ele não estava imune às acusações de subversão eleitoral de Jack Smith.

    O ex-presidente argumentou que a imunidade era necessária para garantir que os futuros presidentes não fossem sujeitos a acusações criminais. Sem essa garantia, disse ele, “a Presidência como a conhecemos deixará de existir”.

    Mas esse argumento não levou a lugar nenhum nos tribunais inferiores. Um parecer unânime de 57 páginas do Circuito DC no início deste mês rejeitou as reivindicações de imunidade. Trump e Smith apresentaram petições divergentes na Suprema Corte sobre se a decisão deveria ser suspensa.

    Smith respondeu em seu próprio processo em 14 de fevereiro que Trump não estava perto de cumprir o padrão exigido para interromper o processo.

    A juíza distrital dos EUA Tanya Chutkan já havia adiado a data do primeiro julgamento, originalmente marcada para 4 de março, enquanto os tribunais de apelação avaliavam as reivindicações de Trump.

    Dados os atrasos, no entanto, um julgamento provavelmente não começaria antes de maio, no mínimo.

    Pergunta restrita com impacto abrangente

    A Suprema Corte concordou nesta quarta-feira em decidir uma questão relativamente restrita, mas com implicações abrangentes: se um ex-presidente tem imunidade em um processo criminal por atos cometidos durante o mandato.

    Donald Trump argumentou que os presidentes poderiam hesitar em agir se estivessem preocupados com a perspectiva de acusações criminais depois de deixarem o cargo.

    A sua acusação criminal na investigação de interferência eleitoral de 2020, se for mantida, terá um “efeito inibidor” nas futuras administrações, disse ele.

    Mas as juízas do circuito dos EUA Karen LeCraft Henderson, Florence Pan e J. Michelle Childs rejeitaram esses argumentos.

    Elas deixaram claro que as acusações contra Trump são graves e não deixaram dúvidas de que acreditam que podem ser prosseguir. As magistradas apontaram para o comportamento de Trump após as eleições presidenciais de 2020, considerando-o antipresidencial e constituindo um ataque às instituições americanas.

    Durante mais de duas horas de argumentação oral na votação separada de 8 de fevereiro, a maioria dos juízes da Suprema Corte pareceu disposta a ficar do lado de Trump na questão de saber se ele pode concorrer a um segundo mandato.

    Os adversários de Trump afirmam que as suas ações em 6 de janeiro de 2021 o tornaram inelegível ao abrigo da “proibição insurrecionista” da 14ª Emenda.

    Juntos, os casos empurraram o tribunal para o meio da eleição presidencial deste ano, de uma forma que conseguiu evitar desde a sua decisão no caso Bush v. Gore decidiu efetivamente as eleições de 2000 entre o ex-presidente George W. Bush e o ex-vice-presidente Al Gore.

    *Hannah Rabinowitz e Devan Cole, da CNN, contribuíram para esta reportagem