Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Três soldados dos EUA são mortos e mais de 30 ficam feridos em ataque na Jordânia

    Essa é a primeira vez que tropas americanas são mortas por fogo inimigo no Oriente Médio desde o início da guerra de Gaza

    Haley BritzkyNatasha BertrandOren Liebermannda CNN

    Três soldados do Exército dos Estados Unidos foram mortos e pelo menos 34 ficaram feridos em um ataque de drone durante a noite em uma pequena base dos EUA na Jordânia, disseram autoridades americanas à CNN, marcando a primeira vez que tropas dos EUA foram mortas por fogo inimigo no Oriente Médio desde o início da guerra de Gaza.

    O assassinato de três americanos na Torre 22, na Jordânia, perto da fronteira com a Síria, é uma escalada significativa de uma situação já precária no OrienteMédio . Autoridades disseram que o drone foi disparado por militantes apoiados pelo Irã e parecia vir da Síria.

    O Comando Central dos EUA confirmou num comunicado no domingo que três militares foram mortos num ataque unilateral de drone que “afetou uma base no nordeste da Jordânia”.

    Até sexta-feira (260, registaram-se mais de 158 ataques contra as forças dos EUA e da coligação no Iraque e na Síria, embora as autoridades tenham descrito o lançamento constante de drones, foguetes e mísseis como malsucedido, uma vez que frequentemente não causaram ferimentos graves ou danos à infraestrutura.

    Não está claro por que as defesas aéreas não conseguiram interceptar o drone, que parece ser o primeiro ataque conhecido à Torre 22 desde que os ataques aos EUA e às forças da coalizão começaram em 17 de outubro. As forças dos EUA na base estão lá como parte de uma missão de aconselhamento e assistência com a Jordânia.

    As autoridades norte-americanas têm afirmado repetidamente que não querem que as tensões cada vez mais elevadas em todo o Oriente Médio se transformem numa guerra regional. Questionada na semana passada se o Pentágono avaliou que os representantes iranianos estavam intensificando os seus ataques às forças dos EUA, a vice-secretária de imprensa do Pentágono, Sabrina Singh, disse: “Não necessariamente, não”.

    Numa entrevista gravada anteriormente à ABC News que foi ao ar na manhã de domingo (28), o presidente do Estado-Maior Conjunto, general CQ Brown, disse que parte do trabalho dos EUA é “garantir que, como as coisas aconteceram no Oriente Médio, o conflito não seja ampliado.”

    “O objetivo é dissuadi-los e não queremos seguir um caminho de maior escalada que conduza a um conflito muito mais amplo na região”, disse ele.

    Houve dezenas de feridos desde o início dos ataques – um alto oficial militar disse aos repórteres na semana passada que havia cerca de 70 – mas o Pentágono classificou a maioria deles como leves, com exceção de um soldado norte-americano que ficou gravemente ferido num ataque no Iraque no dia do Natal.

    O Suboficial 4 Garrett Illerbrunn da 82ª Brigada de Aviação de Combate foi enviado de volta aos EUA para tratamento adicional depois de ter sido gravemente ferido em um ataque de drone na Base Aérea de Erbil.

    Os EUA tomaram várias ações retaliatórias contra os grupos apoiados pelo Irã no Iraque e na Síria, uma delas ainda na semana passada, quando os EUA atacaram três instalações no Iraque utilizadas pelo Kataib Hezbollah e outros grupos afiliados ao Irã.

    A morte de três americanos também ocorre num momento em que se espera que os EUA e o Iraque iniciem negociações em breve sobre o futuro da presença militar dos EUA no país.