Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trump chama alegação de estupro de “ridícula” em vídeo

    Ex-presidente não compareceu ao júri federal de Manhattan e se pronunciou remotamente; ele é acusado de estuprar a escritora E. Jean Carroll nos anos 1990

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump
    Ex-presidente dos EUA Donald Trump 04/04/2023REUTERS/Marco Bello

    Jack Queenda Reuters

    Donald Trump negou ter estuprado a escritora E. Jean Carroll em um depoimento por vídeo exibido nesta quarta-feira (3) para um júri federal de Manhattan, enquanto o ex-presidente dos Estados Unidos tenta se defender em um julgamento civil sem testemunhar pessoalmente.

    Trump, favorito para a indicação presidencial republicana de 2024, disse no depoimento de outubro de 2022 que o suposto estupro no camarim da loja de departamentos Bergdorf Goodman na cidade de Nova York décadas atrás não aconteceu.

    “É a história mais ridícula e repugnante”, disse Trump no vídeo, curvado sobre uma mesa de conferência enquanto os advogados de Carroll apresentavam documentos a ele. “É apenas inventado.”

    Embora a filmagem do depoimento não tenha sido divulgada, partes da transcrição foram arquivadas publicamente.

    Trump não testemunhará pessoalmente, e sua equipe jurídica disse ao juiz distrital Lewis Kaplan na quarta-feira que não convocará nenhuma testemunha.

    O julgamento está em seu sexto dia e deve se estender até a próxima semana.

    O processo civil de Carroll por agressão e difamação alega que Trump a estuprou em meados da década de 1990 e depois manchou sua reputação ao afirmar em uma postagem de outubro de 2022 em sua plataforma Truth Social que o processo movido pela ex-colunista da revista Elle era uma “fraude e uma mentira”.

    Carroll disse durante três dias de testemunho e interrogatório apontando que Trump a jogou contra a parede em 1995 ou 1996, colocou os dedos em sua vagina e depois inseriu seu pênis.

    Negando as acusações, Trump acusou Carroll de inventar a história para aumentar as vendas de um livro de memórias de 2019 no qual ela tornava públicas suas afirmações.

    Trump não compareceu ao julgamento.