Com encerramento de motim, Bolsonaro antecipa saída das Forças Armadas do Ceará


Anna Satie e André Rosa Da CNN Brasil, em São Paulo
04 de março de 2020 às 21:22
Soldados da Força Nacional durante motim de PMs no Ceará

Força Nacional enviada para conter motim de policiais militares no Ceará (20.fev.2020)

Crédito: José Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) antecipou a saída das Forças Armadas do Ceará de sexta (6) para esta quarta-feira (4). Ele alterou o decreto de Garantia de Lei e da Ordem (GLO), que enviou os soldados ao estado para ajudar na segurança após um motim da Polícia Militar local.

Após 13 dias, o movimento chegou ao fim no início desta semana. A categoria aceitou a proposta oferecida pelo governo cearense e já retornou ao trabalho.

A Polícia parou de divulgar os dados de mortes após o nono dia de paralisação. Até essa data, houve 198 homicídios — cerca de 28 a cada dia, mais que o triplo da média do resto do mês, de oito assassinatos diários.

Os agentes de segurança só suspenderam a paralisação depois que o governo ofereceu uma série garantias — entre elas, a de que os processos sobre as infrações cometidas por cada envolvido no motim vão acontecer "de forma parcial, isenta e transparente". Um reajuste salarial também foi prometido, mas os detalhes ainda serão decididos entre o Executivo e a Polícia.

A Constituição Federal proíbe a paralisação de agentes de segurança pública.