Instituto Brasil-China cria central para receber relatos de xenofobia


Da CNN Brasil, em São Paulo
06 de março de 2020 às 18:02
Coreia do Sul decidiu banir exportações de máscaras

Coreia do Sul decidiu banir exportações de máscaras em meio ao aumento da demanda do produto

Photo: Kim Kyung-Hoon/Reuters (5.mar.2020)
 
Além da disseminação de notícias falsas nas redes sociais, o surto de coronavírus também tem causado uma série de ataques xenofóbicos contra a comunidade asiática no Brasil — a China é o epicentro da doença com mais de 80 mil casos confirmados.
 
Para conter este efeito, o Instituto Brasil-China criou um observatório para receber relatos de ataques e atualizar as informações do vírus no mundo. 
 
Segundo Thomas Law, presidente do instituto, desde o início do surto do COVID-19 do mundo os eventos realizados pela entidade passaram a receber comentários preconceituosos nas redes sociais, como "devemos acabar com o povo chinês". 
 
“O novo coronavírus não tem cara, não é de uma raça. É uma questão da humanidade. Por isso, recomendo que as pessoas que estiverem se sentindo lesadas não fiquem quietas, denunciem”, afirma Law.