Coronavírus, tensão no mercado e mais notícias da noite de 11 de março


Da CNN Brasil, em São Paulo
11 de março de 2020 às 20:01

Organização Mundial da Saúde (OMS) declara pandemia global de coronavírus, sobe o número de pessoas infectadas pelo vírus no Brasil e no mundo, Ibovespa interrompe suas negociações pela segunda vez na semana e ex-produtor de Hollywood é condenado a 23 anos de prisão. Esses são os principais destaques da noite desta quarta-feira, 11 de março.

Pandemia 

A OMS declarou pandemia do novo coronavírus. No mundo, já passa de 118 mil o número de casos da doença em 114 países.

COVID-19 no Brasil

Subiu para 52 o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no Brasil. Paciente vindo de qualquer país será considerado suspeito. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, fala em possível suspensão das aulas por conta do vírus. Na Universidade de São Paulo (USP), aluno de Geografia testa positivo para doença e atividades do curso são canceladas.

Coronavírus no mundo

Itália fechou ainda mais o cerco contra a doença: só farmácias e supermercados ficarão abertos ao público. Empresas fecham as portas e funcionários vão trabalhar de casa. Na Alemanha, a chanceler Angela Merkel alerta que 70% dos alemães podem contrair a doença. 

Mercado

Depois da recuperação de terça-feira, Ibovespa fechou em queda de 7,64% e negociações na bolsa chegaram a ser interrompidas no pregão de hoje quando índice despencou para 10%. Foi o segundo circuit breaker na semana. Dólar fecha em alta e bate R$ 4,72. 

Hollywood

Harvey Weinstein foi condenado a 23 anos de prisão por estupro e agressão sexual. As denúncias contra o ex-produtor de Hollywood de 67 anos incentivaram o movimento #MeToo, que levou dezenas de mulheres a denunciarem casos de assédio sexual.