Doria diz que uso do transporte em SP cairá com medidas contra coronavírus


Da CNN Brasil, em São Paulo
16 de março de 2020 às 16:11 | Atualizado 16 de março de 2020 às 19:02
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) (13.mar.2020)

Foto: João Alvarez/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Em entrevista coletiva realizada na tarde desta segunda-feira (16) em São Paulo, o governador do estado, João Doria (PSDB), afirmou que a partir desta terça-feira (17) haverá uma redução sensível na utilização do sistema de transporte público da Grande São Paulo, devido às medidas para a contenção do novo coronavírus (COVID-19).

"Dada essa redução que haverá, nós vamos analisar se ela é suficiente ou não para manter seguros os terminais de embarque e desembarque e a utilização do transporte coletivo. Se necessário, revaliaremos essa posição", diz.

Segundo o infectologista David Uip, e coordenador do Centro de Contingenciamento do Novo Coronavírus em São Paulo, ainda não é possível prever quando as medidas de restrição serão afrouxadas. 

“Nós entendemos que a epidemia dure de quatro a cinco meses, o que não quer dizer que as medidas restritivas necessariamente durarão esse tempo. A decisão vai ser feita pelo consenso desse grupo de pesquisadores e cientistas junto com o secretário do estado e governador. Então hoje não tem data. As pessoas perguntam: 'mas vai ficar sem escola um mês, dois, três, quatro meses?' Vai ficar o quanto for necessário para contermos a epidemia”, afirmou.

O governo também anunciou que até a próxima segunda-feira (23) todas as escolas estaduais estarão sem funcionar, e que o prazo de uma semana servirá para as famílias se organizarem. Mesmo para escolas particulares e universidades públicas e privadas, a recomendação é fechar as portas.

Uma das principais medidas detalhadas foi para os servidores estaduais com mais de 60 anos que, a partir de amanhã, passam a trabalhar de casa. “Isso deixa de fora profissionais da saúde, segurança pública, áreas essenciais como administração penitenciária e Sabesp”, disse Doria. 

O secretário estadual de Saúde, José Henrique German, informou que o programa Mulheres de Peito, em que carretas circulam pelo estado para a realização de exames de mamografia, também será suspenso temporariamente para evitar a formação de filas e aglomerações.

Doria critica Bolsonaro

Perguntado por jornalistas, Doria criticou o fato de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter interagido com apoiadores durante a manifestação pró-governo de domingo (15), em Brasília, e classificou o ato como "inadequado e um mau exemplo".

"Como cidadão, chefe de Estado e da nação, ele deveria ser o primeiro a dar bom exemplo. É lamentável que o presidente do país não tenha sensibilidade em uma hora tão difícil. Espero que ele tenha humildade, bom senso", afirmou Doria.

ERRATA: Ao contrário do que informava o título anterior deste texto, não haverá redução na oferta de transporte público na Grande São Paulo. O governo anunciou que o uso do transporte deve diminuir devido às medidas para conter o novo coronavírus.