As medidas contra o COVID-19, juros e mais notícias da manhã de 19 de março


Da CNN Brasil, em São Paulo
19 de março de 2020 às 06:39 | Atualizado 19 de março de 2020 às 07:31

 

A aprovação do decreto de calamidade pública na Câmara dos Deputados, os panelaços contra e a favor do governo federal pelo país, o fechamento do comércio em São Paulo, a redução da taxa de juros pelo Comitê de Política Monetária (Copom) e apresentação de medidas para conter as demissões nas empresas após pandemia de coronavírus são os destaques da manhã desta quinta-feira, 19 de março de 2020.

Calamidade pública

A Câmara dos Deputados aprovou, na noite de ontem (18), o decreto de calamidade pública enviado pelo Governo Federal. A medida permite que o executivo gaste mais do que o previsto e desobedeça as metas fiscais para custear ações de combate ao novo coronavírus. A proposta agora segue para o Senado.

Panelaços

A população cobrou esforços do governo no combate ao coronavírus. Na noite de quarta-feira (18), a exemplo do que já havia ocorrido na noite de terça-feira (17), várias cidades registraram panelaços contra o presidente Jair Bolsonaro. Houve bateção de panela e buzinas em bairros das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Niterói, Florianópolis, Belo Horizonte, Fortaleza e Porto Alegre. De forma mais tímida, apoiadores do presidente também bateram panelas a favor do governo. 

São Paulo 

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), assinou, nessa quarta-feira (18), um decreto que proíbe o funcionamento do comércio na cidade até o dia 5 de abril. A medida vale a partir de amanhã (20) e os shoppings já fecharão hoje (19). A determinação não inclui farmácias, supermercados, feiras, lojas de conveniência, venda de alimentação para animais, padarias, restaurantes, lanchonetes e postos de gasolina. A CNN apurou que haverá uma megaoperação de fiscalização, com possibilidade de prisão para quem insistir em abrir.

Taxa de Juros

Juros básicos da Selic tem redução de 0,5 ponto percentual e está, agora, em 3,75% ao ano, alcançando o menor patamar da história. O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unanimidade, pela redução, destacando que a pandemia do novo coronavírus está provocando "desaceleração significativa" do crescimento global. Os reflexos da decisão ainda são incertos e o comitê, neste momento, "vê como adequada a manutenção da taxa Selic em seu novo patamar".

Trabalho

"Programa Antidesemprego" é apresentado pelo governo com o argumento de conter demissões e fazer frente à crise econômica gerada pela epidemia de coronavírus. Dentre as medidas, a proposta prevê a redução em até 50% da jornada e do salário dos trabalhadores, por meio de acordo entre empregado e empresa. O pacote pretende modificar, temporariamente, regras da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e será enviado ao Congresso por meio de Medida Provisória.