Dono do Madero e presidente de sindicato debatem sobre ações contra coronavírus


Da CNN, em São Paulo
24 de março de 2020 às 18:49 | Atualizado 24 de março de 2020 às 20:46

Diantes das medidas restritivas impostas para combater o coronavírus, a CNN convidou Junior Durski, dono da rede de restaurantes Madero, que criticou o lockdown imposto por estados, para debater com o empresário e Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores.

Durante a conversa, os dois concordaram com a necessidade de uma ação coordenada entre governos federais, estaduais e municipais. Segundo Durski, o Brasil precisa neste momento de uma “mão forte para resolver a crise, um governo firme como o chinês” para coordenar as ações.

A declaração seguiu a tônica de Patah, que disse que “precisamos de pessoas com capacidade de liderança para unir ao Brasil”, e que no momento “parece que estamos em campanha eleitoral para mostrar liderança”.

Em relação a medidas de isolamento, os dois divergem quanto a extensão das ações. Patah elogiou a condução e as decisões feitas pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, assim como as de João Doria e Bruno Covas, governador e prefeito de São Paulo, respectivamente. Segundo o presidente do sindicado, as decisões tomadas por eles foram “extraordinárias”.

Ele também elogiou a possibilidade aventada por Rodrigo Maia, presidente da Câmara, de cortar parte do salário de deputados e usar recursos do fundo partidário para gerir a crise.

Já Durski questiona o que chamou de “lockdown horizontal”, dizendo que “tudo gira em torno da economia. Se ela parar, acaba a saúde e a educação, e o governo não vai ter dinheiro para bancar segurança pública”. Segundo ele, não se pode tomar “medidas extremas”, caso contrário, “teremos 30, 40 milhões de desempregados.