Ipea prevê recessão de até 1,8% caso isolamento social se prolongue

A informação consta na carta de conjuntura publicada ontem pelo IPEA 

André Spigariol Da CNN, em Brasília
31 de março de 2020 às 10:10
Comércio fechado em São Paulo
Foto: Amanda Perobelli - 20.mar.2020/ Reuters

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ligado ao Governo Federal, prevê que a economia brasileira terá recessão em 2020 de, pelo menos, 0,4%, caso as medidas de isolamento social continuem em vigor até o final de abril.

Em um cenário ainda mais grave, com isolamento social mantido por mais três meses, o baque na economia pode chegar a 1,8% de queda no PIB. A informação consta na carta de conjuntura publicada ontem pelo Ipea. 

"O custo em termos de PIB é crescente porque, mesmo com meditas mitigadoras bem sucedidas, os riscos de falências e de demissões aumentam quanto maior for o tempo em que as empresas ficam com perda muito grande (ou total) de faturamento", explica o órgão.

Em todos os três cenários avaliados, o Ipea mantém a hipótese de rápida recuperação parcial da atividade econômica já no terceiro trimestre deste ano.

O Instituto explica que "essa hipótese depende da efetividade das políticas econômicas mitigadoras sendo adotadas no Brasil e no mundo, e de um, relativamente, rápido avanço no controle da pandemia, que permitiria a retirada gradual das medidas restritivas".