Moro alerta para onda de violência por causa da pandemia de COVID-19

Ministro da Justiça e Segurança Pública demonstrou preocupação com os cenários e pediu aos magistrados sintonia para evitar a soltura de presos

Teo Cury Da CNN, em Brasília
08 de abril de 2020 às 19:04
O ministro Sergio Moro durante entrevista em Brasília (14.fev.2020)
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, demonstrou preocupação com uma eventual onda de violência no Brasil que pode ser gerada pela pandemia do novo coronavírus. 

“Se fala muito em uma primeira onda da saúde, uma onda da economia. Mas nós temos que ter cuidado para não ter uma terceira onda, que é uma crise da segurança pública em decorrência dessa epidemia”, disse Moro. 

Ele participou de uma transmissão ao vivo no Instagram com a juíza Renata Gil, presidente da Associação de Magistrados do Brasil. 

O ministro destacou em sua fala que o isolamento e a quarentena, “em certa medida, são necessários para evitar a disseminação do vírus”. 

Moro afirmou que ainda é incerto quais serão as consequências da epidemia no âmbito da segurança pública, mas destacou que é importante que o governo esteja prevenido para os mais diversos cenários.

O ministro contou na conversa com a juíza que participou nesta quarta-feira (8) de uma reunião com todos os secretários de seu ministério e que o comportamento dos indicadores criminais do País em meio à pandemia ainda são uma incógnita. 

De acordo com ele, os dados parciais ainda são contraditórios. Em alguns estados houve aumento e, em outros, queda. “Em Goiânia, os crimes caíram. Em compensação, no Espírito Santo houve incremento”, exemplificou. 

O ministro também afirmou que o tráfico de drogas “enfrenta severas dificuldades” devido a problemas de logística.

Moro contou também que o governo tem tido notícia de um aumento de violência doméstica em meio à epidemia do vírus, mas disse que o governo federal não pode interferir diretamente, apenas propor eventuais soluções. 

“Pandemia é ruim em diversos aspectos, mas gera uma série de desafios no âmbito da segurança pública, como o recrudescimento do crime de violência doméstica”, disse. 

Moro ainda disse ser importante que haja uma “sintonia fina” dos magistrados, especialmente com a área da segurança pública, para evitar a soltura de presos perigosos. 

“A gente não pode correr esse tipo de risco. Não é generalizado, mas tem que se tomar esse cuidado”, disse.