Petrobras retira funcionários com COVID-19 das plataformas de petróleo

Funcionários são resgatados no Rio e no Espírito Santo e levados para tratamento médico e isolamento

Gustavo Lago Da CNN, no Rio de Janeiro
09 de abril de 2020 às 19:09 | Atualizado 09 de abril de 2020 às 19:25
Plataforma de produção de petróleo da Petrobras
Foto: Divulgação/Petrobras

Com o avanço do número de casos do novo conoravírus em todo o Brasil, as plataformas de petróleo também entraram no olho do furacão. Segundo fontes consultadas pela CNN, funcionários da Petrobras confirmados ou com suspeita de COVID-19 estão sendo retirados, por helicópteros, das plataformas e navios-plataforma do Rio de Janeiro.

O fato se repete tanto em unidades “offshore” da Petrobras, quanto nas de outras empresas estrangeiras que exploram petróleo na Bacia de Campos e na Bacia de Santos.

Leia também

Opep+ confirma acordo para corte de 10 milhões de barris por dia até junho

Segundo apurado pela CNN, a quantidade de membros que trabalham “offshore”, ou seja, que ficam em alto mar, varia entre 60 e 136 pessoas – de acordo com o tamanho da plataforma.

Resgate também no ES

Na quarta-feira (8), 53 tripulantes de uma plataforma de petróleo da Petrobras testaram positivo para COVID-19.

Segundo informado pela Petrobras à Secretaria de Estado de Saúde do Espírito Santo, os trabalhadores estavam na plataforma de petróleo “Macaé-RJ” – que apesar do nome arremeter ao estado do Rio, ela se encontra na Bacia de Campos, na altura do Espírito Santo.

Conforme apurado, 29 membros já estão em isolamento em hotel, sem a presença de outros hospedes. Em relação aos demais trabalhadores da plataforma, eles também serão transferidos para cumprirem quarentena no mesmo local. Todos são monitorados pela equipe da própria empresa.

Em breve, os estados de origem de cada paciente serão notificados pelo serviço de saúde local, para que possam contabilizar estes casos.

Casos no Rio

A reportagem da CNN procurou a Petrobras para comentar os casos no Rio de Janeiro. A estatal informou que monitora os casos suspeitos, dentro e fora de suas unidades. No entanto, se recusou a revelar confirmações ou agravamento de quadros de COVID-19 nas plataformas.

A Petrobras foi questionada se a produção de petróleo e gás seria afetada pela pandemia nas plataformas. Mas se limitou a dar a seguinte resposta: “A Petrobras está preparada para reduzir ou eventualmente interromper a produção em suas unidades offshore, em caso de surto a bordo”.

Como medida de segurança, o efetivo foi reduzido nas unidades “offshore”. Além da exigência de um isolamento domiciliar de sete dias, para as equipes que irão embarcar nas plataformas.