PF prende em Moçambique suspeito de fornecer cocaína para o PCC

Segundo investigações, traficante seria responsável por financiar resgate de líder de facção

João Vianey Da CNN, em Brasília
13 de abril de 2020 às 19:08
Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, foi localizado em condomínio de luxo em Maputo, capital de Moçambique
Foto: Divulgação/Polícia Federal

Foi preso nesta segunda-feira (13), em Maputo, capital de Moçambique, Gilberto Aparecido dos Santos, conhecido como Fuminho, considerado um dos maiores fornecedores de cocaína para a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Foragido há mais de 20 anos, ele estava na lista de procurados do Ministério da Justiça do Brasil. 

O traficante estava num condomínio de luxo e não resistiu à prisão quando foi abordado. A operação contou com a participação de policiais moçambicanos e agentes do DEA (Drug Enforcement Administration, a agência antidrogas americana), sob orientação da Polícia Federal brasileira em cooperação internacional. Também atuaram o Itamaraty e o Departamento de Justiça americano. 

Santos deve ser extraditado nos próximos dias para o Brasil. Segundo investigações das autoridades brasileiras, o traficante também era suspeito de financiar um plano de resgate de Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder do PCC, que está detido no Sistema Penitenciário Federal. 

A descoberta desse plano culminou com a decretação de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) em que militares do Exército foram colocado no perímetro da Penitenciária Federal de Brasilia, em fevereiro deste ano.