SP prevê queda de R$ 10 bi na arrecadação e suspende gastos para conter rombo

O governador João Doria disse que vai publicar um decreto para suspender novas despesas que não tenham relação com o combate ao novo coronavírus

Pedro Duran Da CNN, em São Paulo
14 de abril de 2020 às 12:31 | Atualizado 14 de abril de 2020 às 14:28
A Ladeira Porto Geral, em São Paulo, popular via de comércio, fechada em meio à pandemia de COVID-19
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Com a previsão de uma queda de R$ 10 bilhões na arrecadação de impostos até junho, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta terça-feira (14) uma redução de custos da máquina estadual.

Entre outras medidas, membros do alto escalão do governo que estiveram com Doria anteciparam à CNN a suspensão por 30 dias das obras que já estavam no calendário do estado e vão cancelar a previsão de viagens de servidores, o que diminuirá custos de passagens aéreas e viagens e derrubará o gasto com verbas para diárias. Além disso, serão adiadas nomeações de servidores para cargos públicos.

Nas reuniões realizadas pela manhã, a equipe econômica disse ao governador que os cálculos apontam para uma economia de até R$ 2,3 bilhões, valor que ajudaria a custear o combate ao coronavírus.

Leia também:

SP compra 1,3 milhão de testes para coronavírus e 18 milhões de máscaras

Câmara aprova ajuda aos estados, com impacto de cerca de R$ 80 bilhões

Em entrevista coletiva no fim da manhã, Doria disse que vai publicar um decreto para suspender novas despesas como locações, contratos de obras e publicidade que não seja específica para a prevenção contra o novo coronavírus.

“Precisamos guardar recursos para atender a saúde e a segurança pública”, diz Doria.

O governador afirmou que os programas de assistência social de recursos emergenciais, responsável pela distribuição de um milhão de cestas básicas, serão mantidos como prioridade.

Doria agradeceu aos deputados federais que votaram a favor do projeto de socorro financeiro a estados e municípios, que substituiu o Plano Mansueto.

"Este socorro e esta atenção representam uma atitude elogiável do parlamento brasileiro para salvar vidas. Tenho convicção de que o Senado Federal cumprirá este mesmo papel nesta semana", disse.