Isolamento social em região metropolitana de SP 'atrasa' COVID-19 no interior

Em estudo, pesquisadores da Unesp avaliaram que isso ocorreu graças ao isolamento feito na capital e que ainda não é o momento de relaxar a quarentena

Estadão Conteúdo
18 de abril de 2020 às 10:14
Comércio fechado e rua vazia no centro de São Paulo após decretação de quarentena pelo coronavírus (COVID-19) no estado (24.03.2020)
Foto: REUTERS/Amanda Perobelli

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) mostram que os casos de covid-19 no interior estão três semanas atrás dos números registrados na capital e em regiões metropolitanas, como Campinas, Sorocaba e Baixada Santista - o que indica que essa região não teria atingido o pico de casos. A equipe de cientistas participa do Centro de Contingência do Coronavírus, criado pela gestão João Doria (PSDB).

A conclusão dos pesquisadores é de que isso ocorre graças ao isolamento feito na capital e serve de indicação de que ainda não é o momento de relaxar a quarentena. As cidades maiores - como Bauru, Araraquara e Ribeirão Preto - têm a responsabilidade de proteger os municípios menores, segundo os pesquisadores. Nessas áreas, há maior dificuldade de acesso a hospitais e equipamentos.

Leia também: COVID-19 supera em 2 meses número de mortes por H1N1 em 2009 no Brasil
                        Com foco no social, governo reserva R$ 150 bilhões para ações na pandemia  

Com a sobrecarga do serviço público e privado de São Paulo e região metropolitana, a gestão Doria já cogita levar pacientes internados para hospitais do interior. O secretário Estadual da Saúde, José Henrique Germann, disse ainda que há intenção do governo de fazer mais uma parceria com hospitais privados, para evitar o colapso.

Para manter os efeitos da quarentena, o governo recomenda evitar viagens no fim de semana prolongado do feriado de Tiradentes. As 20 concessionárias que operam os 9,8 mil km de rodovias concedidas vão reforçar as mensagens aos motoristas.