Muçulmanos mostram rotina religiosa no Brasil em meio à pandemia


Da CNN em São Paulo
19 de maio de 2020 às 11:26 | Atualizado 19 de maio de 2020 às 12:45

Uma em cada quatro pessoas no mundo é muçulmana, segundo estimativa da Federação das Associações Mulçumanas do Brasil. No país, já são mais de um milhão de muçulmanos, com 90 mesquitas e salas de oração, além de 80 centros islâmicos.

No calendário islâmico, um dos períodos mais importantes do ano é o  Ramadã, período em que fazem jejum e reafirmam a fé. Este ano, ele será de 23 de abril a 22 de maio, durante a pandemia do novo coronavírus. Na segunda reportagem da série "A Fé em Tempos de Pandemia", a CNN mostra a rotina do islamismo no Brasil e como eles têm lidado com o atual cenário. 

Veja também: 

Com igrejas fechadas, católicos encontram novas formas de união

O Sheik Mohamad Al Bukaifeldman explicou a importância do Ramadã e quais adaptações foram feitas durante a pandemia. "O Ramadã é um curso espiritual, anual e que tem uma disciplina principal que é o jejum. Este ano será um pouco diferente por conta da crise da saúde que estamos passando, mas a parte religiosa já está sendo cumprida. Este ano, perdemos no Ramadã, este ambiente social", explica. 

A produção da série é de Juliana Faddul e a edição de Eduardo Palácio.

Reprodução/CNN

Segundo episódio da série 'Fé em tempos de pandemia' -- Islamismo (19.mai.2020)

Foto: Reprodução/CNN