Porto Alegre libera comércio e serviços com até 50% da capacidade de ocupação

Prefeitura afirma que "a decisão foi tomada a partir do monitoramento dos indicadores de evolução da pandemia na capital", como ocupação de leitos de UTI

Da CNN, em São Paulo
19 de maio de 2020 às 22:44
Vista do Mercado Central de Porto Alegre
Foto: Prefeitura de Porto Alegre/ Reprodução

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), assinou nesta terça-feira (19) decreto que libera a reabertura de shopping centers, restaurantes, igrejas, templos, equipamentos culturais e empresas do setor de comércio e serviços. A medida vale já a partir desta quarta (20), com a exigência de que os estabelecimentos funcionem com, no máximo, 50% da sua capacidade regular.

Os empresários também devem fornecer máscaras de proteção facial aos trabalhadores que utilizam o transporte público em seu deslocamento diário, além de garantir respeito às normas de higienização e práticas de distanciamento.

Leia também:

RS adota 'distanciamento controlado' e uso obrigatório de máscaras

Em nota, a Prefeitura afirma que "a decisão foi tomada a partir do monitoramento dos indicadores de evolução da pandemia na capital, cuja principal referência é a ocupação de leitos de UTI por pacientes com Covid-19".

Na manifestação enviada à imprensa, o prefeito Marchezan Júnior pede que a população siga evitando aglomerações e redobre a atenção em medidas de higienização.

"Temos estudos permanentes dos impactos locais da liberação de cada atividade e monitoramos em tempo real a ocupação das estruturas hospitalares para adaptar as normativas locais com a maior precisão possível à nova realidade", afirmou o tucano.

A métrica dos 50% é a principal para guiar a abertura de restaurantes, bares, shoppings, supermercados e mercados públicos. No caso dos tempos religiosos, missas e cultos não poderão ter mais de 30 pessoas simultâneas. Academias de ginástica poderão funcionar tendo até um aluno e um profissional a cada 16 metros quadrados.

Há ainda algumas exigências adicionais. No caso dos restaurantes, os serviços de self service poderão funcionar desde que a montagem do prato seja realizada exclusivamente por um funcionário do serviço. Já os shoppings não poderão reabrir atividades de recreação -- cinemas seguem fechados na cidade.

O novo decreto mantém a restrição para aulas presenciais em todos os níveis de educação formal, a realização de eventos, shows e peças de teatro, bem como a abertura de casas noturnas, boates, clubes sociais, saunas e parques de diversão. A regra também não flexibiliza as restrições para as estruturas internas dos condomínios.