Amazonas lidera lista de pior desempenho no combate à Covid-19


Estadão Conteúdo
23 de maio de 2020 às 14:24
Ambulância, UTI, Covid-19

Ambulância em Manaus, capital do estado do Amazonas, 16 de abril de 2020.

Foto: Bruno Kelly/Reuters

O estado do Amazonas lidera a lista de pior desempenho no combate ao novo coronavírus entre as 27 unidades da federação, de acordo com o Ranking Covid-19 dos Estados, elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP). O Amazonas não só aparece no topo da lista hoje como está nessa posição desde o início do acompanhamento feito pelo centro há sete semanas.

Com nota 71,72, o Amazonas também aparece bem distante do segundo e do terceiro colocados, o Pará e o Amapá, com notas de 46,66 e 43,23. Nesse ranking, quanto maior o número, pior é a avaliação no combate à doença. Para o chefe de Competitividade do CLP, José Henrique Nascimento, "o Amazonas esteve sempre na 1ª posição, devido à evolução de casos e mortes e à baixa transparência e isolamento".

Segundo o levantamento, o Amazonas tem uma taxa de mortalidade por Covid-19 de 7,02%, que está acima da média nacional, de 4,58%. Além disso, o estado possui a maior proporção de infectados por milhão de habitantes (pmh), em torno de 4.630.

De acordo com os números mais atualizados do Ministério da Saúde, o Amazonas é o quarto em número de casos de Covid-19 no país, com 25.367 pessoas infectadas, e o sexto em vítimas fatais, com 1.620 mortes. A ocupação dos leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) no estado é de 87%, conforme a secretaria de Saúde. 

Assista e leia também: 

Arthur Virgílio rebate vídeo ministerial: Bolsonaro é uma pessoa de baixo nível
Isolamento não é suficiente para salvar indígenas na Amazônia da Covid-19
Brasil tem 62,6% das cidades com casos de Covid-19

Taxa de mortalidade

O estado nortista também lidera com a taxa de mortalidade de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em 34 09%, um dos sintomas mais sérios da Covid-19 e uma indicação de subnotificação da doença, com 138 casos por milhão de habitantes.

Por outro lado, os estados do Pará e Amapá têm realidades opostas. O Pará tem a segunda maior taxa de mortalidade por coronavírus do País, com 9,31%, embora o número de casos por milhão de habitantes (pmh) esteja relativamente em linha com a média nacional, que é de 1.355.

O estado do Amapá tem porcentual baixo de vítimas fatais, de 3,01%, mas é vice-líder em casos por milhão de habitantes (4.422).

Entre os cincos estados que apresentam uma atuação mais desfavorável contra o novo coronavírus, também aparece o Rio de Janeiro, que possui a maior taxa de mortalidade por Covid-19 do País, de11,50%, e o estado de Pernambuco, com a terceira taxa de mortalidade mais alta, de 8,16%.

Com três estados na liderança do ranking, o Norte tem a pior nota entre as regiões, seguido do Sudeste, Nordeste, Centro-Oeste e Sul. O Sudeste, porém, puxado por Rio e São Paulo, eleva a média nacional de mortalidade, com 6,74%.

Indicadores

O ranking conta com atualização semanal e, para fazer uma análise da pandemia, utiliza nove indicadores: a proporção de casos confirmados, a evolução dos casos e o porcentual de mortalidade de Covid-19, conforme números do SUS, assim como os mesmos indicadores para SRAG, fornecidos pela Fiocruz. Também são considerados o Índice de Transparência da Covid-19, da Open Knowledge Brasil, e os dados de isolamento social, disponilizados pelo Google.

 "O ranking vai além dos dados oficiais e dá uma perspectiva mais correta do que está acontecendo nos estados", afirma o chefe de Inteligência Técnica do CLP, Daniel Duque. Segundo o centro, a combinação de informações, como a taxa de isolamento e a evolução dos casos, também permite antecipar os dados oficiais e pode dar indicações da situação dos estados nos próximos dias.

O que os estados dizem

Segundo uma nota divulgada pelo governo do Amazonas, um estudo da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) indica que há, em Manaus, cerca de 85.000 casos ativos de Covid-19, o que indica a possibilidade da taxa de letalidade ser bem menor do que a apresentada atualmente.

O governo estadual ainda afirmou que tem trabalhado para ampliar a rede de assistência de saúde e que foi um dos primeiros estados a adotar o isolamento social. Além disso, o estado tem buscado aumentar a capacidade de testagem, mas afirma que enfrenta dificuldades e já solicitou apoio ao governo federal.

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal informou que todas as medidas estão sendo adotadas de forma coordenada com outros órgãos para o combate à Covid-19. A secretaria também afirmou que está realizando testes rápidos e divulgando informações para a população, com o objetivo de manter o distanciamento social. 

O governo do estado do Rio de Janeiro afirmou que implementou uma série de medidas e ações para aperfeiçoar a transparência e o controle de gastos emergenciais durante o período de pandemia, além de manter atualizado diariamente o boletim com informações sobre a doença no território fluminense.

Questionados, os governos do Pará e de Pernambuco não responderam.