Baixada Santista vai mudar de fase e comércio poderá reabrir com restrições


da CNN, em São Paulo
29 de maio de 2020 às 18:33 | Atualizado 29 de maio de 2020 às 19:25
Funcionários fazem testes rápidos de Covid-19 em sistema de drive-thru

Funcionários fazem testes rápidos de Covid-19 em sistema de drive-thru em Santos, no estado de São Paulo

Foto: Anderson Bianchi/Prefeitura de Santos (18.mai.2020)

Após reunião com o Condesb (Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista) nesta sexta-feira (29), a Baixada Santista deve mudar de fase na quarentena determinada pelo governo do Estado de São Paulo. A alteração deve ser publicada até a próxima quarta-feira (3). 

Os prefeitos das cidades de Santos, Itanhaém e Peruíbe apresentaram o número de leitos disponíveis na região, e o estado entendeu que a região está classificada na fase 2, laranja. 

Leia também:

Prefeitos da Baixada Santista contestam classificação vermelha em plano estadual

Atualmente, a área que compreende nove municípios, enquadrava-se na fase 1, vermelha —a mais restrita das anunciadas pelo governador João Doria (PSDB). 

Na fase laranja, comércio, shoppings centers, escritórios, concessionárias e atividades imobiliárias podem reabrir com restrições. 

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), garantiu que a mudança será feita com prudência. "Não quer dizer que vamos abrir tudo desenfreadamente, sem limites, ao contrário. Segue a quarentena na Baixada, vamos agir com responsabilidade, prudência e regras rígidas para evitar o aumento da transmissibilidade", afirmou.

Para ele, os dados que fizeram o estado considerar a primeira classificação estavam equivocados. "A situação é preocupante, mas é preciso ter justiça no critério. A Baixada não poderia estar pior que a capital, que é o epicentro do coronavírus no Brasil". 

A cidade de São Paulo ultrapassou a marca de 100 mil casos de infecção pela doença nesta sexta-feira. O prefeito Bruno Covas (PSDB) afirmou que a reabertura do comércio na cidade vai depender da aprovação da vigilância sanitária.