PM usará inteligência para manter manifestações pacíficas, diz secretário

Secretário assegurou que a PM não tem lado e é composta por profissionais de honra

Da CNN
08 de junho de 2020 às 15:43

O secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, o general da reserva João Camilo Pires de Campos, avaliou à CNN, nesta segunda-feira (8), a atuação da Polícia Militar nas manifestações ocorridas no domingo (7).

"No geral, a secretaria de Segurança Pública entende que o planejamento foi muito bem feito e a aplicação da tropa no terreno foi muito bem colocada", elogiou ele. "Conseguimos, por intermédio de revistas, retirar itens que certamente poderiam causar muito dano e a manifestação seguiu com uma grande normalidade. [Teve] um problema no final, mas que foi resolvido", completou.

Leia também:

Manifestações pró e contra Bolsonaro acontecem em São Paulo
Planalto vê baixo apoio nas manifestações contra o governo
Deputado do PSL e senador da Rede debatem manifestação e liberdade de expressão

Campos ainda afirmou que a secretaria de Segurança Pública irá "usar a inteligência como fator operacional" para identificar indivíduos e subgrupos com pautas diferentes em meio aos manifestantes pacíficos.

"A secretaria tem dois dispositivos de inteligência muito bons - um em cada polícia - e ainda tem em seu Centro de Operações Integradas (COI) um centro de inteligência integrada", explicou, acrescentando que o objetivo será "identificar os grupos [pacíficos ou não], seus anseios e propostas".

Por fim, o secretário assegurou que "a PM não tem lado". "Ela é composta por profissionais de honra que exercem sua atividade com intuito absolutamente voltado à atividade-fim", garantiu. "São infundadas quaisquer colocações de há politização ou lados", encerrou.

Polícia Militar

Mais cedo, o secretário-executivo da Polícia Militar (PM) de São Paulo, Álvaro Batista Camilo, avaliou que os policiais agiram contra "vândalos" (como classificou), que "quiseram estragar a festa da democracia" no final do dia de manifestações pacíficas. 

"Foi um dia inteiro muito bom e pacífico. A polícia garantiu que todos se manifestassem, mas, infelizmente, no finalzinho, alguns vândalos quiseram estragar a festa da democracia, que é a manifestação pública", afirmou.