O que considerar ao doar para um fundo de justiça social

Quer doar para uma causa social ou campanha de crowdfunding, mas não sabe por onde começar? Confira as dicas dos especialistas

Scottie Andrew, da CNN
21 de junho de 2020 às 08:00
Pessoa preenche dados do cartão em computador
Foto: Shutterstock (20.jun.2020)

O mundo está precisando de benfeitores neste momento. E você quer doar. Mas por onde começar?

É fácil doar para uma causa social ou campanha de crowdfunding, mas nem sempre fica claro onde esses fundos acabam. Ou talvez você esteja indeciso depois de examinar todas essas causas importantes para escolher qual delas merece sua ajuda primeiro.

Leia também:

Doações e combate às fake news: como ajudar em meio à crise do coronavírus

Para ajudá-lo a navegar no mundo das doações, recrutamos os seguintes especialistas:

• Amanda Stewart, professora assistente e pesquisadora sem fins lucrativos do Departamento de Administração Pública da Escola de Assuntos Públicos e Internacionais da Universidade Estadual da Carolina do Norte, e

• A equipe Impact Your World da CNN, que avalia rigorosamente as organizações sem fins lucrativos e as campanhas do GoFundMe.

“Pessoalmente, acho que as doações alinham as coisas certas", disse Amanda Stewart à CNN.

Veja como conhecer melhor sua causa e começar a doar.

Selecione uma causa

Você decidiu, então, abrir sua carteira. Felizmente, selecionou uma causa com a qual se preocupa – duas questões relevantes agora são a  ajuda por causa da pandemia do coronavírus e a justiça racial.

Organizações estabelecidas podem ser encontradas no Guidestar ou no Charity Navigator, sites que coletam relatórios financeiros para ajudá-lo a tomar uma decisão com informações mais robustas sobre as organizações sem fins lucrativos com escritório nos Estados Unidos.

Muitas organizações sem fins lucrativos de menor porte ou de fundação mais recente ainda não têm perfis configurados. Mas não as elimine ainda.

Pesquise a sua missão

Depois de escolher uma causa para se dedicar, mergulhe um pouco mais na sua reputação.

Leia a missão da instituição e veja se ela se alinha com a sua. A quem a instituição de caridade serve e que serviço ela presta? Se não estiver claro, procure algumas alternativas.

No caso dos Estados Unidos, também é útil que a organização sem fins lucrativos que você escolheu seja registrada como 501(c) 3, o que significa que ela está isenta de impostos e é beneficente – e sua doação é dedutível. Isso diminui sua renda tributável e você também paga menos impostos. 

Antes de se comprometer, verifique o que as outras pessoas estão dizendo sobre a organização sem fins lucrativos – ela tem uma boa reputação entre os doadores? Você achou algum relato sobre fundos mal utilizados? Caso contrário, continue.

As campanhas do GoFundMe são um pouco mais difíceis de verificar. Qualquer um pode começar uma campanha, mas o dinheiro ou vai para a pessoa ou para a causa abraçada. Se a pessoa que iniciou a campanha não está associada à causa, esse dinheiro irá para o GoFundMe.

De acordo com a plataforma, campanhas fraudulentas são bastante raras, mas sua doação será reembolsada caso a campanha não seja legítima.

Verifique as finanças

Esta parte pode envolver a leitura de uma declaração fiscal e outros dados contábeis.

Se a organização escolhida nos Estados Unidos estiver em um site de vigilância para instituições de caridade ou tiver um formulário 990, um formulário do IRS [Receita Federal americana] que divulgue as informações financeiras das organizações isentas de impostos, você poderá verificar a saúde financeira da organização. A instituição gastou mais do que arrecadou? Você também pode comparar as despesas totais da instituição de caridade com os programas e serviços que ela oferece.

Para calcular o percentual de sua doação que remonta à causa, siga a equação que o Charity Navigator usa (em inglês, mas válido para qualquer organização). É para lhe dar uma ideia da eficiência financeira da instituição de caridade.

O Better Business Bureau recomenda que esse percentual seja de pelo menos 65%; portanto, se você doar US$ 100, US$ 65 desse montante seriam destinados aos programas e os US$ 35 restantes aos custos indiretos e administrativos necessários para manter a organização sem fins lucrativos. Qualquer percentual menor significa que a causa não está recebendo todos os benefícios da sua doação.

Se uma instituição de caridade não divulgar suas informações financeiras, procure e solicite. Nos Estados Unidos, as organizações sem fins lucrativos isentas de impostos são obrigadas a fornecer seus três Formulários 990 mais recentes se você solicitar, de acordo com o Conselho Nacional de organizações sem fins lucrativos.

“Com a sua doação, você passar a ser um stakeholder da organização, e assim elas precisam se interessar por você como você se interessa por ela”, afirmou Stewart.

Há um benefício mútuo em manter esse relacionamento saudável e confiável.

Algumas organizações são tão novas que não têm essas informações financeiras prontamente disponíveis. Se você estiver preocupado, entre em contato com os organizadores e peça mais detalhes sobre onde seu dinheiro irá e quanto dele voltará à causa. Se eles não forem tão transparentes quanto você esperava, talvez seja melhor escolher uma nova organização sem fins lucrativos.

Desconfie de taxas

Fazer uma doação em cheque ou dinheiro pode ser mais fácil, pois evita a cobrança de taxas, mas algumas instituições de caridade aceitam pagamento apenas em uma plataforma digital.

Se você estiver doando por meio de uma plataforma como ActBlue ou GoFundMe, elas devem divulgar se mantêm parte da doação. Isso geralmente é tratado como uma taxa de processamento de cartão de crédito e deve ser fácil de encontrar (a ActBlue, por exemplo, cobra uma taxa de processamento de 3,95%  para organizações na plataforma e ganha dinheiro quando os doadores dão gorjeta).

A GoFundMe oferece a opção de cobrir a taxa para que sua doação completa seja direcionada à causa.

E com isso, você está pronto para receber doações. Não é bom fazer o bem?

(Com informações de Jennifer Grubb e AJ Willingham, da CNN. Texto traduzido, confira o original em inglês)