Prefeitos de Santos e Florianópolis avaliam retomada em meio à pandemia

Paulo Alexandre Barbosa, prefeito de Santos, e Gean Loureiro, prefeito de Florianópolis, falaram à CNN sobre reabertura e restrições em meio à Covid-19

Da CNN
23 de junho de 2020 às 09:04

Os prefeitos de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), e de Santos, Alexandre Barbosa (PSDB), falaram à CNN, nesta terça-feira (23), sobre a reabertura e novo endurecimento de medidas restritivas em meio à pandemia da Covid-19.

Dados das secretarias de Saúde das duas cidades apontam que Florianópolis já registrou 1.318 infectados e 12 mortos, enquanto Santos teve 7.812 casos confirmados e 312 mortes até segunda-feira (22).

Loureiro informou que os indicadores sobre a doença são analisados diariamente e que, enquanto o fator de transmissão estava abaixo de 1, havia uma "tranquilidade da diminuição de novos contaminados", mas que esse cenário mudou. "Agora, como ele sobe para 1,3 acende o sinal de alerta, e estamos nos antecipando nessa onda", disse ele, que decidiu voltar a endurecer as medidas contra a doença.

Leia também:

Eventos religiosos estão ajudando a espalhar Covid-19, diz OMS
Brasil testou menos de 2% da população para Covid-19 até o momento

"Mesmo com números positivos, eu prefiro nos antecipar e agir imediatamente com uma série de restrições, que valem a partir de quarta-feira (24), garantindo o distanciamento social e a tranquilidade para continuar com o controle dos números e não perder todo o trabalho feito pela sociedade de Florianópolis, que ficou em casa, teve dificuldades nos seus negócios e precisa ter uma retomada tranquila e segura", defendeu o prefeito da capital catarinense.

Em Santos, Barbosa, que já tem flexibilizado a quarentena e a reabertura do comércio, destacou que a prefeitura tomou "medidas muito rígidas desde o início da pandemia" e disse que "abriu novos leitos, um hospital com estrutura já existente e conseguimos preparar a cidade para esse enfrentamento". 

"Hoje temos uma taxa de ocupação de UTIs na faixa de 49%, abaixo de 50% - ou seja, o sistema está preparado para atender às pessoas que tiverem necessidade. Há seis semanas essa taxa de ocupação vem caindo", apontou ele. "Esse é um número aceitável, porque significa que ninguém vai morrer por falta de atendimento", acrescentou.

O prefeito ainda defendeu que está "promovendo retomada com cautela". "A cidade se encontra na fase laranja, onde várias atividades são permitidas, mas ainda não permitimos reabertura de shoppings, por exemplo", informou Barbosa, que adiantou que isso deve ocorrer "nos próximos dias e com protocolos muito rígidos".

"A tomada de decisões tem que ser diária e sempre com objetivo de salvar vidas, que é nossa prioridade desde o começo da pandemia", concluiu.