Assim como São Paulo, cidades do ABC vão adiar abertura de bares e restaurantes

Prefeitos destacam a necessidade de manter a cautela e de acompanhar os números nos próximos dias para não haver nenhum retrocesso

Carolina Figueiredo, da CNN em São Paulo
26 de junho de 2020 às 22:13 | Atualizado 26 de junho de 2020 às 22:43
Bares e restaurantes fechados no horário do almoço
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
 
 

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC, que representa as setes cidades que compõem a região em São Paulo, anunciou nesta sexta-feira (26) que, assim como a capital, irá adiar a reabertura de bares e restaurantes nas cidades. Mais cedo nesta sexta (26), o governo de São Paulo informou o avanço das regiões para a fase 3 (amarela) de reabertura, que permite a volta do funcionamento de bares, restaurantes e salões de beleza.

Os prefeitos de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra dizem que o avanço reflete a efetividade das ações conjuntas na região, mas apontam a necessidade de se manter a cautela e de acompanhar os números nos próximos dias para não haver nenhum retrocesso.

Leia também:

Cidades que não aceitarem isolamento irão lidar com a Justiça, diz João Doria

Mais de 1/3 das cidades de SP têm risco de colapso na saúde, diz levantamento

Covid-19 avança, e BH volta a fechar atividades não essenciais

Desde o início da pandemia, o entendimento das sete prefeituras é que a região deve seguir as mesmas diretrizes da cidade de São Paulo, devido à proximidade da região com a metrópole. Segundo os prefeitos, por este motivo os municípios irão iniciar estudos de protocolos para essas novas flexibilizações e farão uma avaliação até a próxima sexta-feira (3 de julho), ao invés de reabrir os setores imediatamente, o que poderia ser feito devido ao avanço. A capital paulista tomou a mesma atitude.

As prefeituras do Grande ABC reiteram em nota que a população deve continuar colaborando com o isolamento social e que só devem sair de casa quando for estritamente necessário.