MEC precisa de nome para lidar com consequências de pandemia, diz Priscila Cruz

Com a saída de Decotelli, presidente do Todos Pela Educação diz que ministério precisa de "equipe que não seja ideológica e com propósitos republicanos"

Da CNN, em São Paulo
30 de junho de 2020 às 20:08

Após o anúncio da saída de Carlos Alberto Decotelli do Ministério da Educação, a presidente-executiva do Todos Pela Educação, Priscila Cruz, disse à CNN nesta terça-feira (30) que o MEC precisa de um quadro que saiba dialogar com os diversos envolvidos com a educação no país, principalmente no momento em que se atravessa a pandemia de Covid-19.

"O novo nome precisa criar uma articulação para lidar com as consequências da pandemia na educação. Para resolver isso precisamos de um nome capaz de fazer formulações e articular com atores envolvidos na pasta, com uma equipe que não seja ideológica e com propósitos republicanos", disse.

Ela lembra que o MEC efetivamente não tem gestão direta na educação básica, mas articula com diversos agentes da União para a realização de ações. Por conta disso, ela enxerga necessidade de o novo ministro conseguir criar pontes e ter um gabinete que monitore o diálogo com os diversos entes da federação.

Leia também:

Carlos Alberto Decotelli confirma saída do Ministério da Educação

Reitor do ITA e ex-presidente do CNE são cotados para substituir Decotelli

FGV diz que comissão vai avaliar questionamentos sobre tese de Decotelli

"O novo ministro deve estabelecer uma mesa de diálogo constante com estados, municípios, Congresso e universidades. Um gabinete que monitora as articulações. O novo chefe da pasta precisa ter capacidade de formulação, de formação de equipe e saber priorizar as pautas."

Segundo Priscila, o MEC atualmente conta com bons quadros técnicos, e citou o secretário-executivo Antonio Paulo Vogel de Medeiros como um dos bons nomes do ministério, mas fez a ressalva de que seu trabalho foi afetado por Weintraub -- que, segundo ela, criou “incêndios” que Vogel teve que “apagar”.

O próximo ministro

“O próximo ministro precisa ter compromisso para nada além da qualidade educacional, com carta branca para afastar quem deve e trazer pessoas preparadas para uma área tão estratégica para o país,” disse Priscila sobre as características que ela gostaria de ver no próximo ministro da Educação.

Ela ponderou sobre os nomes que estão sendo ventilados e disse ver que quase todos são ligados à educação superior. Ela faz a ressalva de que o próximo nome não precisa ser um especialista na área, mas se for, deveria ser alguém ligado a educação básica, que em sua visão é hoje o grande problema educacional do Brasil.

“Não precisa ser um especialista em educação a assumir o ministério, mas alguém que saiba lidar com a articulação. Se for um especialista, que seja do ensino básico. O governo precisa voltar suas atenções a essa área, que foi colocada durante a campanha como o foco na gestão da educação no governo Bolsonaro.”

“Diálogo, leitura do contexto para a formulação de políticas públicas e a formação de uma equipe que possa criar de maneira eficaz de implementar as ações são as principais características que o novo ministro da Educação deve ter", afirmou Priscila.