Dados do Deter e Prodes sobre desmatamento são corretos, diz Pontes

Pontes afirmou que exoneração de Lubia Vinhas três dias depois dos dados de desmatamento do Deter mostrarem o 14º crescimento seguido foi um "mal entendido"

Lisandra Paraguassu, da Reuters
14 de julho de 2020 às 21:40
Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes
Foto: Carolina Antunes - 19.mai.2020/PR

O ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, afirmou que não há dúvidas sobre a correção dos números de desmatamento no país dos sistemas Deter e Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e reafirmou que a pesquisadora Lubia Vinhas, ex-coordenadora-geral de Observação da Terra, não foi demitida.

Pontes convocou uma entrevista para apresentar a reestruturação do Inpe que, segundo ele, vem sendo trabalhada desde o ano passado. Dentro dessas mudanças, Lubia, segundo o ministro, assumirá a coordenação de um projeto especial chamado de Base de Informações Georrefenciadas, que reunirá toda a base de dados do Inpe.

"Não existe dúvida hoje sobre os números do Deter e do Prodes serem corretos e nem da transparência que temos na divulgação", disse o ministro.

Leia também:

Governo exonera responsável por monitorar desmatamento da Amazônia

Mourão: demissão no Inpe é 'rearranjo' e não impacta monitoramento na Amazônia

Debate sobre Amazônia impede 'retrocesso de todos os avanços do país', diz Maia

Marcos Pontes garante que a equipe que cuida do análise de desmatamento continua a mesma, sob a coordenação de Cláudio Almeida, e Lubia foi deslocada porque seu currículo --ela é doutora em matemática aplicada-- se encaixava nessa nova função criada na reestruturação.

"O Inpe está fazendo um trabalho magnífico e ele vai se estender, tanto em qualidade quanto amplitude", disse o ministro.

Pontes afirmou que a exoneração da pesquisadora nesse momento --apenas três dias depois dos dados de desmatamento do Deter mostrarem o 14º crescimento seguido-- foi um "mal entendido".

"Talvez se tivesse prestado mais atenção, tivesse esperado um pouco mais para fazer (a exoneração)", disse Pontes.