Mesmo com criminalidade menor, Polícia de SP matou mais durante quarentena

Governo do estado diz que 'medidas para reduzir a letalidade policial são avaliadas e implementadas permanentemente'

Carolina Figueiredo, da CNN em São Paulo
15 de julho de 2020 às 23:53
Viaturas da Polícia Civil de São Paulo
Foto: Divulgação - 02.jul.2018 / Governo do Estado de São Paulo

As polícias militar e civil de São Paulo mataram mais pessoas durante a quarentena estadual, neste ano, do que no mesmo período do ano passado, apesar de os índices de criminalidade terem diminuído durante o isolamento. 

De acordo com dados das corregedorias, consolidados pelo Instituto Sou da Paz, em abril deste ano policiais mataram, fora e dentro do horário de serviço, 122 pessoas. No mesmo período de 2019, foram 79 pessoas mortes, representando um aumento de 54% na letalidade do mês.

O mês foi o auge das medidas de restrição impostas pelo governo do estado para conter a Covid-19. A quarentena foi instituída em São Paulo pelo governador João Doria (PSDB) no dia 24 de março.

Apesar das mortes provocadas pelas polícias terem sido maiores em abril, o mês registrou queda nos índices de criminalidade.

Em 2020, o mês registrou 14.057 roubos, contra 20.169 ocorrências em 2019. Outra queda acontecem nos casos de tráfico de drogas, com 3.410 ocorrências em todo o estado em abril deste ano, contra 4.082 no mesmo mês do ano passado.

No âmbito dos crimes violentos, também houve diminuição. No ano passado foram 258 registros de estupro em abril, enquanto este ano foram 183. Além disso, 16 latrocínios foram registrados em abril de 2019 e, neste ano, foram 12. Os números são da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP).

Questionada, a SSP diz que "trabalha para combater a criminalidade e proteger as pessoas" e que desde 2019 as forças policiais estão sendo instaladas nos locais de maior incidência de crimes. A secretaria diz que "medidas para reduzir a letalidade policial são avaliadas e implementadas permanentemente."

Assista e leia também:

E Tem Mais: A escalada da violência na PM de SP e o futuro das polícias

'PM precisa rever ação na periferia e ser mais acolhedora', diz ex-comandante

'Pedi socorro e desmaiei', diz jovem sufocado por PM em abordagem na Grande SP

"O confronto não é objetivo das polícias, razão pela qual todas as ocorrências de morte decorrente de intervenção policial são analisadas pelas instituições, rigorosamente investigadas e comunicadas ao Ministério Público", diz o governo de São Paulo, que diz estar instalando câmeras corporais nos uniformes dos agentes de segurança.

Os dados do Instituto Sou da Paz mostram que a maioria das mortes cometidas pela polícia este ano ocorreu em abril, mas, de maneira geral, a polícia matou mais em 2020. De janeiro a maio do ano passado, policiais fora e dentro do horário de serviço mataram 366 pessoas, no mesmo período de 2020, foram 473 ocorrências de morte registradas.