Após desembargador rasgar multa, prefeito de Santos manifesta repúdio

Eduardo Siqueira foi abordado por guardas municipais por estar sem máscara na orla da cidade

Lorena Lara, da CNN em São Paulo
19 de julho de 2020 às 17:16

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), declarou repúdio neste domingo (19) ao que classificou como "ações irresponsáveis" depois do episódio em que o desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha de Siqueira destratou guardas municipais que aplicaram ao magistrado uma multa por desrespeitar o uso obrigatório de máscara.

Um vídeo gravado pelos guardas registra o momento em que o desembargador desautoriza os funcionários da prefeitura, liga para o secretário municipal de segurança e se refere a um dos guardas como "analfabeto".

Em carta aos santistas publicada nas redes sociais, o prefeito diz que o caso "explica o perfil da arrogância e prepotência de alguns homens públicos, que usam da sua posição privilegiada para desrespeitar a sociedade".

"Independentemente da profissão, nossos munícipes devem ser tratados com dignidade", declarou.

Leia também:

Desembargador é multado por se recusar a usar máscara em praia de Santos

Corregedoria vai apurar conduta de desembargador que rasgou multa em Santos

'Não tenho relação com esse senhor', diz secretário mencionado por desembargador

Além de se revoltar com a abordagem da Guarda Civil Municipal e xingar o funcionário da prefeitura, o desembargador também rasgou a multa que recebeu, de R$ 100. Desde 23 de abril, o uso de máscara é obrigatório na cidade, de acordo com medida imposta por decreto.

A Corregedoria Nacional de Justiça abriu procedimento para apurar a conduta de Siqueira, assim como o Tribunal de Justiça de São Paulo. O secretário de Segurança de Santos, Sérgio Del Bel, negou qualquer tipo de relação com o desembargador.

Leia a carta na íntegra:

Carta aos Santistas

O vídeo gravado nas praias de #Santos, que está circulando por todo o Brasil, explica o perfil da arrogância e prepotência de alguns homens públicos, que usam da sua posição privilegiada, para desrespeitar a sociedade, macular as próprias instituições a que pertencem e o que é pior: menosprezar o agente da lei e humilhar o ser humano.

Infelizmente, Santos voltou a ser assunto por esses maus exemplos, de pessoas que insistem em desafiar as regras, o bom senso e o dever de consideração ao próximo. Para todos aqueles que desejam fazer valer os seus interesses e os seus direitos, mas que se esquecem da obrigação de prestar contas de seus atos à sociedade da qual fazem parte, é necessário lembrar que o Santista não tolera esse comportamento e eu, enquanto prefeito da cidade, repudio veementemente essas ações irresponsáveis.

Santos não é a cidade da carteirada. Aqui o nosso cidadão fala mais alto e é o homem público que tem que saber com quem está falando. Aqui reagimos aos tipos que dizem: “Cidadão não; engenheiro civil formado”

Independentemente da profissão, nossos munícipes devem ser tratados com dignidade. O respeito ao ser humano é o verdadeiro título do Santista que honra a nossa cidade. Aqui vale a carteira do cidadão.

Parabenizo a conduta da Guarda Municipal e agradeço pela lição de cidadania, competência e serenidade, demonstrada em todos os momentos dessa ocorrência e que certamente servirá de exemplo para todo o Brasil.