Justiça manda reabrir bares e restaurantes de BH que integram entidade do setor

Juiz disse que prefeito Alexandre Kalil exerce "tirania de fazer lei por decretos"

Caroline Louise e Giovanna Bronze, da CNN em Belo Horizonte e em São Paulo
20 de julho de 2020 às 19:13 | Atualizado 20 de julho de 2020 às 19:54
Pessoas caminham de máscara em Belo Horizonte
Foto: CNN (9.jul.2020)

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais determinou, nesta segunda-feira (20), a reabertura de bares e restaurantes em Belo Horizonte que integrem a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), anulando para estes o efeito do decreto nº 17.328, de 8 de abril, sobre o fechamento de todas as atividades comerciais na capital.

O processo foi movido pela Abrasel, que alega que o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), cometeu abuso de poder.

Na decisão, o juiz deu parecer favorável para a associação, que argumentou que o fechamento "vem acarretando prejuízos incomensuráveis à economia, com a demissão de funcionários, o não pagamento de tributos", sendo "o setor que tem mais sofrido com a crise sanitária instalada no país". 

Leia também:

Distância de 7 m² em bares e lojas: BH apresenta protocolo para reabertura

O juiz então disse que o prefeito Kalil exerce uma “tirania de fazer leis por decretos, ao bel prazer dele e de seus técnicos de saúde”. Na decisão, argumenta que a atitude não conta com nenhuma participação dos parlamentares, como se o prefeito e os técnicos fossem “os únicos que detivessem os dons da inteligência, da razão e da temperança e não vivessem numa democracia”.

Na decisão, o magistrado também argumenta que a Prefeitura de Belo Horizonte “errou” ao suspender os serviços comerciais: “Em uma linguagem bem simples, isso equivale a ‘matar o paciente, aplicando-lhe uma dosagem de remédio maior do que aquela recomendada que ele pode suportar’.”

A medida da Justiça diz que os argumentos apresentados pela Prefeitura “não prosperam” e determinou a suspensão do decreto.

O juiz argumentou que, nos restaurantes, as mesas podem ser distanciadas e ressaltou que “não é o momento de confraternização”. Para estes estabelecimentos, o juiz recomendou que sejam disponibilizados álcool em gel e que os funcionários e consumidores utilizem máscara.

Caso a Prefeitura de Belo Horizonte fiscalize algum estabelecimento sob o decreto de 8 de abril, segundo a determinação judicial, o órgão estará sujeito a multa no valor de R$ 50 mil para cada fiscalização.

O magistrado também determinou que sejam enviadas, com urgência, as informações alegadas em sua decisão para o Ministério Público de Minas Gerais e para a Presidência da Câmara do Município de Belo Horizonte, para que o prefeito seja investigado por improbidade administrativa por “afrontar” a Constituição Federal de 1988, a Constituição do Estado de Minas Gerais e a Lei Orgânica do Município de Belo Horizonte.

Procurada pela CNN, a Prefeitura de Belo Horizonte informou que já foi notificada da decisão judicial e já recorreu.

CORREÇÃO: Uma versão anterior deste texto dizia que a Justiça de Minas Gerais havia determinado a reabertura de todo o comércio de Belo Horizonte. A informação correta é de que a decisão judicial permite a reabertura apenas dos bares e restaurantes da cidade que integram a Abrasel. O texto já foi corrigido.