Ação popular quer que estudante picado por naja reembolse zoológico de Brasília

Autor da ação argumenta que os gastos extras tiveram como consequência a piora na qualidade de vida dos animais já existentes no zoológico

Vianey Bentes e Bruno Feitosa, da CNN em Brasília
21 de julho de 2020 às 17:34
Serpente naja que picou estudante no Distrito Federal
Foto: Divulgação - Batalhão de Polícia Militar Ambiental do DF

Uma ação popular encaminhada à Justiça do Distrito Federal nesta terça-feira (21) quer que o universitário Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkuhl, pague pela alimentação e demais despesas ocasionadas pela manutenção no Zoológico de Brasília, com as serpentes naja e a víbora Verde de Vogel.

Na ação, obtida com exclusividade pela CNN, o advogado José Moura Neto  pede ainda que Pedro seja obrigado a indenizar o zoológico pelos gastos com a construção de dois novos habitats para abrigar os répteis.

O autor da ação argumenta que os gastos extras tiveram como consequência a piora na qualidade de vida dos animais já existentes no zoológico.

O advogado pede ainda que o estudante seja condenado a pagar R$ 5 mil, por serpente apreendida, por danos morais coletivos à sociedade brasiliense.

Leia e assista também

Casa de estudante de veterinária picado por naja é alvo de busca da polícia

Ibama afasta servidor sob suspeita de participação no caso da cobra naja

Depois de naja, Ibama aplica multas de mais de R$ 300 mil por criações ilegais

A decisão caberá ao juiz Carlos Frederico Maroja de Medeiros, da Vara do Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano e Fundiário, a quem a ação foi distribuiída.

O estudante de medicina veterinária está em casa desde o dia 12 de julho, quando recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular no DF. Pedro estava internado desde o dia 7 de julho quando foi picado pela naja. O estudante de veterinária e a família dele foram multados em R$ 78 mil pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

Pedro Henrique só deve prestar depoimento no início de agosto após o fim prazo de 18 dias de um atestado médico apresentado pela família do estudante a delegacia que investiga o caso.