Terceira nuvem de gafanhotos é identificada no norte da Argentina

A América do Sul tem, até o momento, três nuvens de gafanhotos em atividade

Da CNN
21 de julho de 2020 às 12:36

Uma nova nuvem de gafanhotos foi identificada no fim da tarde segunda-feira (20), na província de Formosa, ao norte da Argentina. Com isso, a América do Sul tem, até o momento, três nuvens de gafanhotos em atividade. A primeira nuvem permanecia na Argentina até domingo (19) enquanto a segunda estava a cerca de 100 km do Brasil.

De acordo com o Serviço Nacional de Segurança e Qualidade Alimentar (Senasa), inicialmente, acredita-va que era a mesma nuvem vista no Paraguai, mas, segundo o engenheiro agrônomo e chefe do Programa Nacional de Gafanhotos do Senasa, Hector Medina, técnicos confirmaram se tratar de uma terceira nuvem.

Leia também:

Segunda nuvem de gafanhotos está a cerca de 100 km do Brasil
Especialista explica segunda nuvem de gafanhotos que pode chegar ao Brasil
Vento favorável mantém nuvem de gafanhotos fora do país, dizem especialistas

Ainda não há mais informações sobre as dimensões e movimentação do fenômeno, já que foi descoberto há pouco tempo.

Como a tendência natural é que a segunda nuvem passe pelo Brasil, o Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola, no Rio Grande do Sul, já começou a elaborar um mapa das localizações de aeronaves agrícolas e quantas são entre a fronteira oeste do estado com a Argentina e o Uruguai.

O diretor do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas, Carlos Goulart, citou cuidados que agricultores devem tomar caso as plantações sejam atingidas pelos insetos, que são considerados pragas para a vegetação.

"Se vier, o que a gente torce para que não aconteça, é controle químico, e tanto a Secretaria de Agricultura do RS quanto a equipe do Ministério da Agricultura estão preparados e de prontidão para trabalhar coordenadamente", assegurou.

Como funcionam nuvens de gafanhotos

Ministério da Agricultura diz ser pouco provável que 'nuvem de gafanhotos' passe pelo Brasil
Foto: Baz Ratner/Reuters

À CNN, o engenheiro agrônomo Sinval Silveira Neto, especialista em praga de plantas, explicou como funciona a voo dos gafanhotos em nuvem. 

"Por serem migrantes, as nuvens de gafanhotos têm como característica uma direção pré-estabelecida. Quando eles levantam voo em nuvens, têm sempre um alvo a ser atingido", disse, acrescentando que a nuvem anterior estava mais direcionada para o sul da Argentina. 

"Parece que, agora, essa direção está mais voltada para a direção sul do nosso país, o que começa a trazer um pouco mais de preocupação, mas é uma nuvem que precisa ser monitorada, como o Ministério já vem fazendo, porque, para ser controlada, precisa ser acompanhada para sabermos o ponto de pouso. Se ela está direcionada mais para a região sul do país, começa a preocupar", acrescentou.

Silveira Neto também pontuou que as baixas temperaturas que têm sido registradas no sul do país são boas para evitar a chegada dos insetos. "Para voar, eles precisam de uma temperatura mínima em torno de 20°C, então, quando esfria, eles cessam o voo. Com a frente fria, a chance de ataque de gafanhotos diminui bastante. Ventos muito fortes também reduzem o voo", assegurou.

(Edição: Leonardo Lellis)