'Ainda não é hora de decidir sobre Carnaval', diz subsecretário de Eventos do RJ

No mesmo dia em que capital cancela Revéillon 2021, subsecretário do estado diz que escolas de samba e blocos ainda não definiram Carnaval

Da CNN
25 de julho de 2020 às 16:40

As escolas de samba e os blocos de rua do Rio de Janeiro ainda discutem sobre a possibilidade de realizar o Carnaval 2021, disse o subsecretário de Eventos do Estado, Rodrigo Castro, à CNN. A prefeitura da capital suspendeu as festividades do Réveillon neste sábado (25) por causa da pandemia do novo coronavírus. O Carnaval, no entanto, segue com o futuro sendo debatido pelas associações dos blocos e a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro.

"É unanimidade: sem que tenha vacina ou vacinação em larga escala para a população, a gente não tem condições de promover os desfiles das escolas de samba. Tem sido uma decisão muito acertada da Liga, ouvindo as agremiações e alinhando com o poder público de que, nesse momento, ainda não é hora de decidir se podemos ter ou não o Carnaval", afirmou Castro.

A mesma linha é defendida pelos blocos de rua. "Orgnização de blocos, como as do Sebastiana e Bola Preta, já sinalizaram também que hoje não é uma realidade os blocos desfilarem nas ruas do Rio. Porém, o poder público precisa estar preparado para quem ir à rua comemorar o feriado", disse o subsecretário sobre uma possível aglomeração de turistas na data.

Leia mais:

Suspensão de réveillon no Rio é absurda, diz presidente da associação de hotéis

Edmar Santos, ex-secretário de Saúde do Rio, vira réu por organização criminosa

Revéillon cancelado

Em nota, a prefeitura do Rio de Janeiro confirmou o cancelamento do Réveillon 2021. "Com relação ao Réveillon, esse modelo tradicional que conhecemos e que praticamos na cidade há anos, assim como o carnaval, não é viável neste cenário de pandemia, sem a existência de uma vacina."

A administração municipal disse que a Riotur apresentará ao prefeito Marcelo Crivella, nos próximos dias, "diferentes formatos possíveis para o evento da virada, sem presença direta de público, em um modelo virtual".