Metroviários suspendem greve prevista para esta terça-feira (28) em SP

Paralisação, que foi confirmada durante a noite de segunda, foi cancelada após nova assembleia na madrugada

Elis Franco, da CNN, em São Paulo
28 de julho de 2020 às 02:01 | Atualizado 28 de julho de 2020 às 08:01

A Secretaria de Transportes Metropolitanos de São Paulo informou que foi suspensa a greve prevista para esta terça-feira (28) nas linhas do Metrô da capital paulista. Em contato com a CNN, o secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, confirmou a informação.

Leia também:

Homem destrói homenagem a vítimas do rompimento da barragem de Brumadinho

De acordo com a pasta, os metroviários fizeram uma segunda assembleia, que terminou por volta da 1h30, com base na proposta que o secretário Alexandre Baldy enviou no final da noite.

Por volta das 3h, o Sindicato dos Metroviários confirmou a suspensão e afirmou que aceitou a proposta do secretário (veja mais detalhes na nota abaixo). Mesmo assim, houve atraso no início das operações das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata do transporte, e algumas estações registraram aglomeração de pessoas.

Pelo menos, 1.754 trabalhadores participaram da assembleia encerrada durante a madrugada. Desses 324 votaram para manter a greve, outros 1.399 votaram pela suspensão do movimento e 31 se abstiveram.

Na primeira assembleia, realizada na noite de segunda-feira, participaram 2.436 votantes, dos quais 73% optaram pela greve.

Veja nota do Sindicato dos Metroviários confirmando a suspensão da greve:

O secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, em contato com o Sindicato logo após a assembleia que referendou a greve a partir de 28/7 com grande mobilização da categoria, e aceitou a proposta feita pelo MPT (Ministério Público do Trabalho) que foi encampada pelo TRT em 27/7.

Essa proposta, que foi aceita posteriormente pelo secretário, foi submetida à votação na assembleia realizada das 18h às 22h30 de 27/7 e foi aprovada por 84% da categoria, garantindo a renovação de todas as cláusulas do Acordo Coletivo até 30/4/2021.

Em função disso, uma nova assembleia foi convocada emergencialmente e contou com a participação de 1.754 metroviários. A categoria aceitou a proposta (com 79,76% dos participantes) e a greve foi suspensa. Este resultado só foi possível por conta da grande mobilização da categoria.

Confira abaixo a íntegra da proposta:
1- Manutenção do adicional noturno de 50%, com o pagamento de adicional noturno de 25% pelo período de 6 meses, e o adiamento da diferença de 25% do adicional noturno, que devem ser pagos integralmente nos 6 (seis) meses subsequentes;

2- Manutenção da Gratificação por Tempo de Serviço, com a garantia dos valores adquiridos até 30/04/2020, e a suspensão da aplicabilidade do percentual pelo período de 6 (seis) meses (01/05/2020 a 01/11/2020), retomando-se o pagamento do direito adquirido neste período no 7º mês, com o consequente pagamento dos respectivos valores retroativos à data de aquisição da progressão;

3- Manutenção do adicional normativo de férias, com o adiamento do pagamento da diferença entre o valor do adicional normativo e o 1/3 constitucional, pelo período de 6(seis) meses, com o consequente pagamento no 7º mês dos respectivos valores retroativos à data do gozo. Com a realização do acordo, os valores de auxílio transporte suprimidos a partir de 30/06, serão ressarcidos;

4- Renovação do ACT, em todas as suas cláusulas, por 12 meses com vigência de 01/05/2020 a 30/04/2021;

5- Manutenção do adicional de horas extras de 100%, com o pagamento de adicional de 50% pelo período de 6 meses, e o adiamento da diferença de 50% dos adicionais de horas extras, que devem ser pagos integralmente nos 6 meses subsequentes, exceto as horas extras compulsórias, que devem ser pagas integralmente (100%).