Adoção de cães e gatos cresce durante a quarentena


Da CNN
29 de julho de 2020 às 09:10 | Atualizado 29 de julho de 2020 às 12:44

A adoção de animais de estimação aumentou durante a pandemia. O principal motivo apontado para o crescimento é a busca por companhia contra a solidão do isolamento social.

Em São Paulo, a organização não governamental União Internacional Protetora dos Animais (UIPA), que fica na Zona Norte, registrou um crescimento de 400% na procura por cães e gatos. 

"Muitas pessoas que não pensavam nisso estão adotando e convivendo pela primeira vez com animais e estão adorando. Nas nossas redes sociais, elas mandam fotos e depoimentos. Ficamos felizes pelos familiares e pelos animais", conta presidente da UIPA, Vanice Teixeira.

Leia e assista também:

Quase 3 bilhões de animais foram afetados por incêndios na Austrália, diz estudo
Seu animal de estimação não pode pegar coronavírus, dizem especialistas

Em meio à pandemia, a protetora destaca que a ONG busca "conscientizar as pessoas de que aqueles animais precisam de companhia". "As pessoas estão mais em casa, mas isso não vai durar para sempre", pontua Vanice, destacando a importância de se assumir a adoção com responsabilidade.

Durante o isolamento, a economista Raissa Florensce, que é mãe de uma menina de 2 anos, tornou-se tutora de Julieta, uma cadelinha, que, segundo ela, levou alegria para o lar.

"A gente decidiu adotar a Juju para ser uma amiguinha dela [a criança], fazer companhia e alegrar a casa, afinal estávamos muito dentro de casa", conta Raissa.

Apesar de destacar a companhia durante o isolamento, a economista frisou que a responsabilidade da adoção vai bem além deste período: "O animalzinho é para sempre e tem que ter essa consciência na hora de adotar".

Cachorro adotado durante a pandemia ganha carinho da dona

Cachorro adotado durante a pandemia ganha carinho da dona

Foto: CNN (29.jul.2020)

(Edição: Sinara Peixoto)