PF mira madeireiros e servidores públicos em operação contra desmatamento ilegal

Organização extraía e transportava madeira ilegal e atuava, também, na falsificação de documentos

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
29 de julho de 2020 às 11:07

A Polícia Federal realiza nesta quarta-feira (29) uma operação contra a exploração ilegal de madeira nas cidades de Brasil Novo, Medicilândia e Uruará, no estado do Pará.

A Operação Carranca busca cumprir 60 medidas cautelares, sendo 14 mandados de medidas cautelares diversas da prisão, 7 mandados de afastamento do emprego ou função pública, 4 mandados de suspensão da atividade de natureza econômica, 7 mandados de sequestro de bens e 28 mandados de busca e apreensão.

A investigação começou em 2016 a partir de denúncias da extração ilegal de madeira no município paraense de Brasil Novo. 

Entre os crimes identificados pela PF estão exploração econômica de floresta nativa, fornecimento de nota fiscal irregularmente, financiamento de organização criminosa, falsidade ideológica, associação criminosa, corrupção passiva, prevaricação, peculato, violação de sigilo funcional e concussão.

Assista e leia também:

Brasil é o 3º em mortes de ativistas ambientais e dos direitos humanos, diz ONG

Inpe revisa dados e registra recorde de desmatamento da Amazônia em 12 anos

“Com o avanço da investigação, foi possível identificar grupos que atuavam em todas as etapas da cadeia produtiva da madeira: extração, serragem, falsificação de documentos, fiscalização, transporte e compra da madeira ilegal”, informou a PF, em nota..

A investigação dividiu os investigados em quatro grupos, conforme sua atuação: no primeiro estão madeireiros de pouco poder econômico, que atuam na linha de frente da extração ilegal.

No segundo, os madeireiros de grande poder econômico, que financiam a cadeia de extração, serragem e distribuição de madeira ilegal.

Já o terceiro é formado por servidores públicos, advogados, engenheiros florestais que utilizam sua função para favorecer e acobertar crimes ambientais.

Por fim, há policiais que cobravam vantagem indevida de caminhoneiros na rodovia Transamazônica.

Operação Carranca, da PF, cumpre 60 medidas cautelares contra a exploração ilegal de madeira no Pará
Foto: Reprodução/ PF