Vítima de Covid-19 em SP é enterrada sem reconhecimento da família

O corpo dele foi trocado com o de outro idoso, que também morreu por Covid-19 e também passou pelo hospital de campanha de Heliópolis

Giovanna Bronze, da CNN em São Paulo
28 de julho de 2020 às 22:05
Enterro de vítima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo (SP), em foto de arquivo
Foto: Amanda Perobelli - 26.jun.2020/Reuters

Um homem que morreu por Covid-19 foi enterrado sem o reconhecimento e autorização da família no último domingo (26), no Cemitério Vila Formosa, em São Paulo, após passar pelo Hospital de Campanha de Heliópolis. O corpo dele foi trocado com o de outro idoso, que também morreu por Covid-19 e também passou pela unidade de saúde, segundo boletim de ocorrência.

Ainda de acordo com o registro, o filho do homem enterrado foi até o distrito policial para informar que foi notificado sobre a morte do pai, mas percebeu que o homem identificado como o pai era outra pessoa. O advogado do hospital, então, informou ao filho que o pai foi enterrado erroneamente, no lugar do outro idoso.

Em nota, o Hospital de Campanha de Heliópolis informou que lamenta o ocorrido e pediu desculpas às famílias de ambos os pacientes, "com o compromisso de aprimorar o trabalho de verificação de corpos". De acordo com a unidade de saúde, foi realizada a identificação correta dos corpos, mas, quando o serviço funerário foi retirar um dos corpos, não foram conferidos pelos agentes de ambos os órgãos, causando um "equívoco no corpo levado". 

"No seu processo normal de verificação diária, o hospital notou o equívoco comunicou as famílias o ocorrido. Assim, todas as providências foram tomadas, inclusive com registro de Boletim de Ocorrência", diz a nota.

Leia também:

Incidência da Covid-19 quadruplica entre os mais pobres, diz prefeitura de SP

Governo estadual nega que mudanças no Plano SP facilitem mudanças de fase

Procurado pela CNN, o Serviço Funerário de São Paulo afirmou que não é responsável pela identificação dos corpos e que, durante a pandemia, o hospital deve colocar o corpo em saco plástico impermeável próprio. 

O órgão argumenta que o motorista agiu corretamente e que, ao chegar no hospital com a nota de contratação do funeral, levou o corpo para a funerária. "O corpo é acomodado na urna de acordo com as instruções do agente de saúde que já realizou a identificação do corpo."

O Hospital de Heliópolis é a unidade de campanha com o maior número de mortes por Covid-19 até o momento, com 85 mortes. Nesta terça-feira (28), o hospital tinha 63 pacientes internados, sendo 30 em UTI. No total, 825 pessoas com Covid-19 já passaram pela unidade que foi inaugurada em 20 de maio, das quais 677 tiveram alta.