Pagamentos por meios digitais crescem durante pandemia

Com novas medidas de higiene por conta do coronavírus, lojistas utilizam a tecnologia para oferecer opções aos clientes via link e QR Code

Anne Barbosa e Paula Forster, da CNN, em São Paulo
10 de agosto de 2020 às 14:58

O distanciamento social e as novas medidas de higiene necessárias para prevenir a contaminação pelo novo coronavírus fizeram com que muitas empresas adotassem os meios digitais como forma de pagamento.

De acordo com a Cielo, empresa de meios eletrônicos de pagamento, houve um aumento de 495% nas transações realizadas em julho deste ano pelo Super Link da empresa, em comparação com fevereiro do mesmo ano.

Leia também:

Entrada do WhatsApp pode mudar o cenário da 'guerra das maquininhas'

A 'guerra das maquininhas' acabou? Entenda para onde vai o mercado de pagamentos

"Em um momento com mais da metade do comércio brasileiro fechado, esses instrumentos, principalmente os digitais, passaram a ter uma função bastante útil nesse processo", afirma Paulo Caffarelli, presidente da Cielo. 

O levantamento mostra ainda que as transações por QR Code cresceram 1.600%. Os números são reflexo também do crescimento do e-commerce, que registrou aumento de 50% em julho, comparado com fevereiro, sem considerar o setor de turismo, que inevitavelmente, teve queda. 

"Nós conseguimos chegar nos clientes que estavam com medo de qualquer contato físico. Agora, as pessoas estão cada vez mais procurando comprar online. Até porque estar em casa hoje é o novo mundo", afirma Jéssica Sandri, gerente da Anjos Colchões e Sofás. 

Com as portas fechadas, a pandemia afetou o desempenho de muitas empresas, que reduziram o volume de transações. No entanto, as vendas pela internet fizeram a diferença. A rede de lojas de colchões, por exemplo, que comercializa um produto que normalmente os clientes querem testar, antes de comprar, registrou um aumento de 93% no faturamento em junho deste ano, frente ao mesmo período do ano passado. 

O crescimento também foi registrado em outros setores do varejo. Em uma rede de lojas de calçados infantis, o aumento no número de pagamentos online foi de 10 mil%.

"Hoje o cliente se sente mais seguro comprando com o link, porque ele cai numa plataforma direto da marca. Então ele efetua o pagamento e tem agilidade de receber o produto em até 4 horas em casa", afirma Carla Schneider, consultora da Bibi Calçados.

O setor de eventos também não tem ficado para trás nas inovações e a leitura de QR Code tem sido utilizado nos cine-drive in e outras casas de eventos.