Secretário de Saúde do DF é preso suspeito de fraude em testes de Covid-19

Francisco Araújo é suspeito de superfaturar a compra dos testes

Da CNN
25 de agosto de 2020 às 07:28 | Atualizado 25 de agosto de 2020 às 12:06

O secretário de Saúde do Distrito Federal, Francisco Araújo, foi preso preventivamente na manhã desta terça-feira (25) na segunda fase da Operação Falso Negativo, que investiga fraudes em testes de Covid-19. Foram cumpridos sete mandados de prisão preventiva ligados ao alto escalão da secretaria. 

De acordo com a colunista de política Basília Rodrigues, da CNN, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), disse que afastou Araújo do cargo até que ele possa prestar esclarecimentos sobre a situação. 

Segundo o colunista Igor Gadelha, da CNN, o atual presidente do Hemocentro de Brasília, Osnei Okumoto, irá assumir o cargo. Ele foi secretário da pasta até 16 de março deste ano, quando pediu demissão e foi sucedido por Francisco Araújo. A nomeação foi publicada edição extra do Diário Oficial do DF. 

À CNN, Ibaneis afirmou que, além do secretário, estão afastados de suas funções também Eduardo Hage Carmo, subsecretário de Vigilância à Saúde do DF; Eduardo Seara Machado Pojo do Rego, secretário adjunto de Gestão em Saúde do DF; Jorge Antônio Chamon Júnior, diretor do Laboratório Central do DF; Ramon Santana Lopes Azevedo, assessor especial da Secretaria de Saúde do DF. Também houve a prisão de Ricardo Tavares Mendes, que é ex-secretário adjunto de Assistência à Saúde do DF.

Leia e assista também:

Polícia Civil investiga venda de testes falsos de Covid-19 em São Paulo
Polícia Civil prende ao menos 16 em operação contra facção criminosa em SP
Tudo o que você precisa saber sobre os testes de Covid-19

O secretário de Saúde do Distrito Federal, Francisco Araújo
Foto: Reprodução/CNN (25.ago.2020)

Araújo é suspeito de integrar um esquema de superfaturamento na compra de insumos que teriam causado prejuízo superior a R$ 18 milhões aos cofres públicos do DF. No cargo desde 16 de março deste ano, o secretário foi preso no apartamento dele, na região Noroeste do DF.

Em nota, o Ministério Público do DF informou que a nova fase da Operação Falso Negativo inclui 44 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e em mais oito estados: Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Santa Catarina, Mato Grosso, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.

As ordens judiciais foram expedidas pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) e são resultado de investigação exclusiva do MPDFT, que apura suspeitas de crimes cometidos por servidores do alto escalão da Secretaria de Saúde do DF, segundo o MP-DF.

Ainda de acordo com o MP-DF, entre os crimes estão: fraude à licitação, lavagem de dinheiro, crime contra a ordem econômica (cartel), organização criminosa, corrupção ativa e passiva. Os crimes teriam sido praticados no momento da licitação para compra de testes para detecção da Covid-19.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal disse que "sempre esteve à disposição do Ministério Público" e colaborou com as investigações, além de estar aprimorando os mecanismos de transparência da pasta.

Leia a íntegra:

"A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES) informa que sempre esteve à disposição do Ministério Público, colaborando com as investigações e fornecendo todos os documentos necessários à devida apuração dos fatos relativos à operação Falso Negativo, desde a sua fase inicial.

A SES não só disponibiliza as informações solicitadas como franquia o acesso online dos membros do MP a todos os processos de compras e contratos da pasta, através do Sistema Eletrônico de Informações (SEI) e vem realizando reuniões semanais com os membros desse órgão de controle para esclarecer dúvidas, acatar recomendações e aprimorar os mecanismos de transparência dos atos e ações da pasta junto à sociedade."

(Edição: André Rigue)