Decisão do STJ cita e-mail de Witzel para ex-prefeito de Volta Redonda

Governador orientou Gothardo Lopes Netto – cuja família é dona de hospital no município – a assinar contrato com escritório de advocacia da primeira-dama

Maria Mazzei, da CNN, no Rio de Janeiro
28 de agosto de 2020 às 09:32
O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC)
Foto: Adriano Ishibashi - 26.mai.2020/Estadão Conteúdo

Um e-mail escrito pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), consta na decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que o afastou do cargo nesta sexta-feira (28).

O documento foi apreendido pela Polícia Federal, durante a primeira etapa da Operação Favorito, em maio.

Nele, Witzel orienta o médico Gothardo Lopes Netto, ex-prefeito de Volta Redonda, a redigir um contrato com o escritório de Helena Witzel, primeira-dama dama do Rio de Janeiro.

A família do médico é proprietária do Hospital Infantil e Maternidade Jardim Amália Ltda, maior unidade de saúde privada do município.

Assista e leia também:
Desembargador amigo de Witzel é alvo de mandados de busca e apreensão

STJ afasta Wilson Witzel do governo do RJ e manda prender Pastor Everaldo

Para afastar Witzel, MP citou prática de crimes e risco para investigações no RJ

Programa de governo de Wilson Witzel fazia 32 menções à palavra corrupção

O que chamou a atenção dos investigadores é que em um processo contra a unidade de saúde, que tramita na Justiça Federal de Volta Redonda, já constava como advogado Lucas Tristão, também envolvido no esquema segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR).

No curso da ação, a primeira-dama apresentou petição para comunicar interesse na mesma causa e passou a advogar para o hospital. A partir daí, o escritório de Helena começou a receber R$ 15 mil mensais pelo serviço da petição. 

Os investigadores, no entanto, não localizaram nenhum outro documento ou serviço prestado que justifique os pagamentos mensais.