Homem que matou universitária no interior de SP é condenado a 40 anos de prisão

Mariana Forti Bazza foi assassinada em setembro de 2019, quando a jovem tinha 19 ano

Sinara Peixoto, da CNN em São Paulo
27 de agosto de 2020 às 21:44
 
Foto: Reprodução/ Instagram + Arquivo Pessoal

A Justiça de São Paulo condenou, a 40 anos e 10 meses de prisão, o homem acusado de estuprar e matar a estudante de fisioterapia Mariana Forti Bazza na cidade de Bariri, interior do estado, em setembro de 2019, quando a jovem tinha 19 anos. 

Rodrigo Pereira Alves foi condenado em regime fechado por estupro, latrocínio e ocultação de cadáver.

Na época do crime, Alves já tinha uma condenação anterior por estupro e cumpria pena, no regime aberto, por roubo, sequestro, tentativa de latrocínio e constrangimento ilegal. 

            Leia também:

            Lei Maria da Penha completa 14 anos com alta de feminicídios na pandemia

            Brasileira é vítima de feminicídio em Sydney, na Austrália

O Ministério Público afirmou que avalia se vai recorrer da sentença, a fim de aumentar a pena do condenado.

O crime 

Mariana Bazza desapareceu no dia 24 de setembro, após sair da academia em que frequentava. Imagens de câmeras de segurança mostraram que, após se despedir de uma amiga, a jovem recebeu ajuda de Rodrigo Pereira Alves para trocar o pneu do carro.

As gravações também revelaram que, enquanto Mariana ainda estava na academia, Rodrigo havia se aproximado do veículo dela para murchar um dos pneus.

Ele mesmo a "alertou" a respeito do pneu, se ofereceu para ajudá-la e a atraiu para uma chácara, onde executou os crimes. 

No dia seguinte ao desaparecimento, a jovem foi encontrada morta na zona rural de Ibitinga (SP). Rodrigo foi preso no mesmo dia, escondido no município de Itápolis, também no interior de São Paulo.