Cidade de São Paulo vive indefinição sobre volta às aulas

Secretário municipal de Educação explica retorno

Da CNN
31 de agosto de 2020 às 15:51 | Atualizado 31 de agosto de 2020 às 15:53

Mesmo com o governador de São Paulo João Doria (PSDB) tendo liberado o retorno das aulas presenciais em outubro para todo o estado, o prefeito da capital paulista, Bruno Covas (PSDB), ainda não anunciou uma data para a volta às atividades escolares presenciais. 

À CNN, o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano, afirmou que a pasta ainda não recebeu 'o sinal verde' da Saúde para o retorno das aulas e que a volta dependerá do resultado da última fase do inquérito sorológico que será realizado pela prefeitura em estudantes da rede municipal, estadual e particular de ensino da capital. 

"Falta ainda uma nova e última fase do inquérito sorológico que a prefeitura da capital está realizando. Já foram duas fases realizadas com os estudantes da rede pública municipal, e teremos a terceira já na próxima semana, que pesquisaremos a abrangência do vírus nos alunos da rede pública estadual e na rede particular", assegurou ele.

A segunda fase do inquérito sorológico feito na cidade de São Paulo mostra que aumentou o número de alunos da rede municipal que tiveram contato com o vírus da Covid-19 e criaram anticorpos. Ainda nessa fase dos testes, foi possível observar um crescimento no número de crianças assintomáticas

Leia também:

Envolve mais de 2 milhões de pessoas, diz secretário de SP sobre volta às aulas

Sindicato das escolas particulares de SP entra com recurso por volta às aulas

Bruno Caetano, secretário municipal de Educação de São Paulo
Foto: Reprodução/CNN

De acordo com o secretário, a pasta trabalha com a possível volta no início de outubro. Neste primeiro momento, caso se concretize o retorno, os professores seriam notificados para preparação. 

"A secretaria de Educação trabalha com a data possível de 7 de outubro porque a nossa obrigação é deixar tudo pronto, com as escolas organizadas, novos professores contratados, equipamentos para os educadores, além do trabalho de acolhimento em saúde mental para todos os colaboradores. Caso retornemos dia 7, os professores retornam até 10 dias antes para a preparação", disse.

E completa: "Se retornarmos em outubro, voltamos com até 35% das crianças, uma quantidade pequena. O restante permanece em casa, todos os professores receberão os equipamentos de proteção. Cada estudante irá receber o seu próprio kit de prevenção. Há também protocolo de testagem de professores e que vamos monitar. Mas ainda não temos o sinal verde da Saúde para voltarmos". 

Quanto à escolha das crianças englobadas na porcentagem citada, o secretário afirma que a escolha será pedagógica e a partir de ciclos.

"A previsão da prefeitura é iniciar o retorno pelos anos finais de cada ciclo. Temos três ciclos no ensino fundamental (...) Nós vamos fazer um grande trabalho de reforço e recuperação escolar, para que, no final do ano que vem, possamos fazer a avaliação destes alunos", finalizou.

(Edição: Sinara Peixoto)