Governo nega pedido para ampliar horário de bares e restaurantes em SP


Carolina Figueiredo*, da CNN, em São Paulo
02 de setembro de 2020 às 16:43 | Atualizado 02 de setembro de 2020 às 19:55
Reprodução/CNN

Bares e restaurantes de SP voltaram a funcionar com regras de higiene

Foto: Reprodução/CNN

O governo de São Paulo negou, nesta quarta-feira (02/09), o pedido da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) para que os estabelecimentos pudessem funcionar até às 23h no estado. Durante a coletiva diária feita pelo governo, o coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, José Medina, afirmou , neste momento, a ampliação não vai ocorrer.

A Abrasel enviou, na última segunda-feira (31/08), um ofício ao governo de São Paulo pedindo um aumento nas medidas de flexibilização para a reabertura dos bares e restaurantes do estado. A entidade solicitou a ampliação do horário de permanência dos clientes para até meia-noite, com os estabelecimentos podendo ficar abertos até às 23h, a permissão para lotação de 60% da capacidade dos espaços e a autorização para colocar mesas nas calçadas.

O ofício foi enviado ao governador João Doria (PSDB), ao prefeito da capital Bruno Covas (PSDB) e ao secretário estadual do turismo, Vinicius Lummertz. De acordo a Abrasel, as medidas adotadas até agora para a reabertura dos bares e restaurantes em São Paulo não foi significativa e o faturamento ainda não chegou a 50% do que era antes da pandemia da Covid-19. 

No pedido, a entidade afirma que uma "tragédia persiste no funcionamento de bares e restaurantes". Segundo uma pesquisa citada na solicitação, cerca de 70% dos estabelecimentos que abriram estão dando mais prejuízos que os que permaneceram de portas fechadas e as restrições ao funcionamento servem como uma "camisa de força" para a retomada. 

O presidente do Conselho de Administração da associação, Joaquim Saraiva, usa uma fala de Doria durante a coletiva do governo da última sexta-feira (28/08) para justificar o pedido. "Superamos o pior momento da pandemia do coronavírus em São Paulo. Estamos de fato iniciando a descida do platô, superamos o pico da doença", afirmou o governador na ocasião. 

Como o governo negou apenas a ampliação do horário, a Abrasel afirmou que ainda aguarda uma resposta sobre as outras solicitações. 

Procurado pela CNN na terça (01/09), o Governo de SP afirmou que "os setores devem seguir com horário reduzido de oito horas diárias, 40% da capacidade do local e adotar os protocolos padrões e setoriais específicos".

"O Centro de Contingência de Coronavírus de SP reitera que é fundamental o respeito às diretrizes do Plano, que inclusive já prevê a abertura de bares e restaurantes até 22h, na fase amarela. A expansão da capacidade de público nesses estabelecimentos poderá ocorrer na fase verde do Plano", acrescenta.

 (*sob supervisão de Evelyne Lorenzetti)