Aulas para crianças não voltam antes de 2 de novembro na cidade de São Paulo

Reunião da manhã desta quinta debaterá algumas atividades, como cursos de idiomas, serão liberadas a partir de 7 outubro

Raquel Landim e Pedro Duran, da CNN, em São Paulo
16 de setembro de 2020 às 21:19 | Atualizado 16 de setembro de 2020 às 21:55

Uma reunião marcada para a manhã desta quinta-feira (17) vai definir qual será o futuro das escolas na cidade de São Paulo. Mesmo tendo cumprido os pré-requisitos para retornar às aulas no dia 7 de outubro, junto com outros municípios na fase amarela do plano de recuperação econômica de São Paulo, o prefeito e sua equipe decidiram não autorizar o retorno do ensino presencial para todos os alunos até o 2° ano do Ensino Médio.

Ainda não está definido se o 3° ano do Ensino Médio poderá voltar ainda em outubro. No plano pedagógico de retomada da prefeitura de São Paulo, esse é o ano mais crítico, porque os alunos estão se preparando para o Enem, em maio, e os vestibulares.

Leia e assista também:
Secretário de Educação defende aula presencial em SP: 'Fundamental retornar'
Rossieli Soares explica que quarto ano do ensino médio em SP será opcional
OMS diz que países precisam escolher se querem abrir bares ou escolas
Escolas de 128 cidades de SP retomam atividades presenciais; veja as regras

Dentro da prefeitura há uma corrente que defende o retorno destes alunos com turmas cheias. Mas, na prática, a ideia é que, com escolas vazias, as turmas sejam divididas pelas salas vazias, mantendo 1,5 metro de distanciamento entre as cadeiras.

O plano A prevê a retomada das aulas no dia 2 de novembro. Mas, para isso acontecer, a situação de controle do coronavírus não pode piorar. Nesta quarta-feira, a região metropolitana de São Paulo chegou pela primeira vez no patamar abaixo de 50% da ocupação de leitos de UTI para pacientes com Covid-19.

Neste cenário, há quatro séries críticas que as equipes pedagógicas da Secretaria Municipal da Educação liberarão para aulas presenciais primeiro. Além do terceiro ano do ensino médio, o terceiro, sexto e nono ano do ensino fundamental.

A reunião da manhã desta quinta-feira debaterá ainda se algumas atividades serão liberadas a partir de 7 outubro. A tendência é autorizar tanto nas públicas quanto nas privadas algumas atividades extraclasse, como os cursos de idiomas, que já estão funcionando em escolas voltadas para isso.

O secretário municipal da Educação, Bruno Caetano, afirmou à reportagem da CNN que as escolas já têm um plano montado para receber os alunos quando a volta às aulas for autorizada. O plano prevê a aquisição de itens e algumas adequações, como:

- compra de 2 milhões de máscaras;
- compra de 200 mil face shields;
- uso de 4 termômetros de cabeça por escola;
- renegociação de contratos de limpeza;
- contratação de 3 mil professores temporários;
- reforma de 535 escolas;
- retorno com no máximo 20% dos alunos.

Inquérito sorológico

O terceiro inquérito sorológico feito pela prefeitura terá os resultados divulgados em entrevista coletiva nesta quinta-feira. Ele apontou que as crianças da rede particular e que vivem mais com idosos e outros grupos de risco foram menos contaminadas pelo novo coronavírus do que na rede pública.

A interpretação interna na prefeitura é que esses dados ressaltam a importância de ter mais cautela na abertura das escolas. Especialistas em educação ouvidos pela CNN discordam e dizem que o fechamento das escolas vai aumentar a evasão escolar e a diferença entre alunos das redes pública e privada.

Cidades de SP retomaram atividades não curriculares de forma presencial na escolas
Foto: Divulgação/ Governo de SP