Campanha incentiva doação de celulares e tablets para alunos de escolas públicas

'Abra a gaveta, doe' é um movimento para ajudar estudantes de São Paulo a estudar a distância durante a pandemia do novo coronavírus

Natália Flach, da CNN Brasil, em São Paulo
20 de setembro de 2020 às 15:51
Aula online: cerca de 40% dos 3,6 milhões de estudantes da rede estadual de São Paulo não têm notebooks e 70% não possuem tablets
Foto: Divulgação/MCTIC

A pandemia do novo coronavírus aumentou as desigualdades no Brasil. Cerca de 42% das famílias não têm computador em casa e 33% não possuem acesso à internet, o que torna o estudo uma tarefa ainda mais difícil para os estudantes de baixa renda em tempos de escolas fechadas.

Para tentar reduzir as discrepâncias e permitir que jovens e crianças aprendam a distância, um movimento da sociedade civil criou a campanha 'Abra a gaveta, doe'. A ideia é estimular doação de notebooks, tablets e smartphones esquecidos nos armários.

Os participantes do movimento idealizado pela Península Participações e pelos Parceiros da Educação retiram os equipamentos na casa dos doadores que moram na capital paulista, levam para um técnico, colocam internet e entregam os notebooks e tablets para os estudantes da rede pública.

Leia também:
Rede pública oferece atividade escolar a distância para 74% dos alunos
Uso intensivo das escolas ainda não é seguro, diz secretário da Educação de SP

Segundo o site da campanha, os alunos são selecionados de acordo com a situação de vulnerabilidade econômica dos alunos. Os critérios foram criados em parceria com a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. 

De acordo com pesquisa feita pelo Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo em 2019, cerca de 40% dos 3,6 milhões de estudantes da rede estadual de São Paulo não têm notebooks e 70% não possuem tablets.

A campanha 'Abra a gaveta, doe' conta com o apoio da Trocafone — que criou a página para doações e disponibiliza sua estrutura para transporte, revisão e triagem dos aparelhos doados —, da Datora, que fornece os chips, do escritório Mattos Filho, que apoia com os aspectos legais, e da Monkey, que criou a identidade visual do projeto.

Itens que podem ser doados

Celular e tablet: têm que ter até sete anos de idade, deve ligar normalmente, ter conexão wi-fi e 3G funcionando. Deve ser doado com o carregador, não é necessário enviar acessórios (capinha, fones de ouvido etc).

Notebook: tem que ter até sete anos de idade, deve ligar normalmente, ter conexão wi-fi funcionando e ao menos uma porta de USB funcionando. Precisa ter HD com capacidade mínima de 256GB e memória RAM mínima de 4GB. Deve ser doado com o carregador.