Forças de Segurança Nacional vão a MT ajudar a combater incêndios florestais

O secretário pontuou que ainda não há informações sobre o número de combatentes e qual a estrutura que será disponibilizada a Mato Grosso

Julyanne Jucá, da CNN, em São Paulo
20 de setembro de 2020 às 11:22 | Atualizado 20 de setembro de 2020 às 12:58

O Ministério de Justiça e Segurança vai enviar agentes das forças de segurança nacional para ajudar o governo de Mato Grosso no combate aos incêndios florestais, já na próxima semana, a pedido do governador Mauro Mendes.

A informação foi confirmada ao secretário-chefe da Casa Civil do estado, Mauro Carvalho, por Júlio Alexandre, secretário especial adjunto da Secretaria Especial de Assuntos Federativos da Secretaria de Governo da Presidência.

Leia também:
STF fará audiência pública sobre situação ambiental na segunda-feira
Voluntários vão à luta pelo Pantanal
Somos o país que menos desmatou na história da humanidade, diz Mourão em artigo

“O governador Mauro Mendes solicitou essa ajuda já na última segunda-feira, para contribuir no combate a esse grande incêndio que está ocorrendo não só na região do pantanal, mas em todo o estado de Mato Grosso”, afirmou Carvalho, durante vistoria realizada por diversas autoridades na região do Pantanal, neste sábado (19).

O secretário pontuou que ainda não há informações sobre o número de combatentes e qual a estrutura que será disponibilizada a Mato Grosso.

“É uma ajuda extremamente importante do governo federal junto ao estado, que não tem medido esforços no combate aos incêndios. Estamos solicitando não só ajuda de pessoas, mas de helicópteros, aeronaves e estrutura. Esses detalhes saberemos na semana que vem, assim que o Ministério da Justiça determinar o envio das forças de segurança nacional”, explicou.

Segundo Carvalho, desde março, quando foi lançado o Plano de Ação contra o Desmatamento Ilegal e Incêndios Florestais em Mato Grosso, já foram mais de R$ 22 milhões investidos de recursos próprios. São 40 equipes espalhadas por todo o estado para o combate ao fogo, seis aeronaves, três helicópteros e mais de 2.500 profissionais envolvidos, desde bombeiros militares, voluntários, integrantes da Defesa Civil e do Exército.

Porém, em virtude das condições climáticas desfavoráveis, como a baixa umidade e falta de chuvas há cerca de 120 dias, o governo de Mato Grosso tem buscado novas parcerias para minimizar os impactos do fogo para o meio ambiente e qualidade de vida do cidadão.

Lontra em meio à mata devastada no Pantanal no município de Poconé, Mato Grosso
Foto: Gregory Fenile/Pixel Press/Estadão Conteúdo (19.set.2020)

Além do combate, o governo de Mato Grosso também tem adotado política de "tolerância zero" com os autores dos crimes ambientais, com R$ 189 milhões de multas aplicadas neste ano por uso irregular do fogo.

“Contratamos mais duas aeronaves e na próxima semana contrataremos mais uma, além de estrutura de caminhão-pipa e contratação de pessoas para contribuir com o combate na região pantaneira. Todos estão unidos: governo federal, do estado e prefeituras”, disse o chefe da Casa Civil.

De acordo com a secretária de Meio Ambiente do estado, Mauren Lazzaretti, a união de esforços de todas as instituições e da sociedade vai ajudar a “mitigar os impactos” dos incêndios. Ela ainda destacou o esforço para ajudar a resgatar os animais vítimas dos incêndios.

“O que estamos mobilizados é para fazer o controle dessa situação, com toda a comunidade científica, ambiental, testando novas alternativas para mitigar impactos, como o uso de retardantes. Já investimos mais de R$ 500 mil para o posto de atendimento a animais silvestres no Pantanal. Ali é feito um atendimento emergencial para os animais resgatados, como um pronto-socorro. Fazemos esse primeiro atendimento, internamos se necessário e depois encaminhamos para outras unidades e até reintroduzimos na natureza, se for possível”, destacou.