Polícia e Receita Federal apreendem carga milionária com milicianos no Rio

Foram encontrados equipamentos para acessar canais de televisão de forma ilegal

Maria Mazzei, da CNN, no Rio de Janeiro
09 de outubro de 2020 às 16:28
Equipamentos Smart TV Box apreendidos no Rio de Janeiro
Foto: Divulgação/Polícia Federal (9.out.2020)

Agentes da Receita Federal, da Polícia Federal e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil do Rio de Janeiro apreenderam simultaneamente nesta sexta (9) contêineres com carga avaliada em R$ 50 milhões nos portos de Itaguaí e de Secos (EADI), em Nova Iguaçu e Resende.

São centenas de equipamentos Smart TV Box, que entraram no estado por esses portos. Segundo os investigadores, a carga pertence à grupos de milicianos do Rio de Janeiro, no que seria uma nova forma de exploração desses grupos paramilitares. 

Leia também:

Operação contra milícia busca um dos criminosos mais procurados do RJ

Inúmeros contêineres estão sendo vistoriados e já foram apreendidos mais de 60 mil aparelhos que são utilizados para acessar canais de televisão burlando os serviços oficiais dos produtores, em violação a direitos autorais, crime contra a propriedade imaterial e contrabando.

A ação está em andamento e a tendência é que o número de aparelhos apreendidos aumente. 

Um das maneiras usada pela milícia para extorquir moradores das áreas onde atuam é montar redes clandestinas de TV à cabo e internet e impor à população uma taxa pelo “serviço”. Nessas regiões, é proibido que o morador contrate o serviço legal através das operadoras. 

De acordo com os setores de inteligências dos órgãos envolvidos na investigação, com os equipamentos apreendidos os milicianos pretendiam reequipar essas centrais clandestinas de forma a torná-las ainda mais difíceis de ser rastreadas.  

Um relatório da Polícia Civil sobre a violência no Rio enviado em julho ao Ministério da Justiça e ao Supremo Tribunal Federal mostra que a milícia está em 278 favelas, 19% das comunidades do Rio, e que esses grupos também comercializam drogas em seus redutos.