PF investiga governo do Piauí por disparo de mensagens para fins eleitorais

Operação "Fake SMS" cumpriu dois mandados de busca e apreensão

Vianey Bentes Da CNN, em Brasília
16 de outubro de 2020 às 12:47 | Atualizado 16 de outubro de 2020 às 13:08
Operação "Fake SMS" apreendeu documentos, celulares e HDs na casa e empresa de investigado
Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal investiga nesta sexta-feira, 16/10, se o governo do Piauí contratou serviços de disparo automático de mensagens de Whatsapp, para fins eleitorais.

A chamada Operação "Fake SMS" cumpriu dois mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Eleitoral de Teresina, e apreendeu documentos, celulares e HDs na casa e na empresa de um investigado.

O material apreendido vai ser analisado pela PF, com objetivo de comprovar se o serviço utilizado pelo governo está servindo especificamente para emitir mensagens e comentários na internet , para ofender a imagem de candidato, partido ou coligação — o que representa crime eleitoral.

Leia e assista também

Fux: impulsionamento de mensagens de robôs cria bolhas de eleitores iludidos

TSE dá 3 dias para Bolsonaro se manifestar sobre impulsionamento de mensagens

Canais do PT no WhatsApp são bloqueados por disparos em massa

O nome da operação faz referência ao uso de serviço de mensagens (WhatsApp) para suposta propagação de Fake News.

O governo do Piauí manifestou-se por meio de nota. Leia a seguir:

"O governo do estado do Piauí informa que não foi notificado e de nenhuma forma acionado a respeito da operação “Fake SMS”. Esclarece que não tem contrato com nenhuma empresa para o envio de mensagens em massa e nem tem responsabilidade sobre contratos feitos por quaisquer candidatos para fins eleitorais. Estranha ainda que o governo do rstado seja citado em uma operação em que o material apreendido ainda será periciado, apontando o governo como possível culpado em uma investigação que ainda será iniciada.

Destaca que, caso haja responsabilidade de algum agente público por qualquer ato, todas as providencias serão adotadas imediatamente a fim de punir os responsáveis. Uma vez comprovada que não há nenhuma responsabilidade por parte do Governo, também irá acionar judicialmente, por abuso de autoridade, os responsáveis pela acusação prévia e precipitada da operação."